quarta-feira, 12 de maio de 2021

Participação na Antologia "Alternando Entre Mundos"

Alternando Entre Mundos é uma antologia organizada por Gabriela Resende e Giovanna Lima lançada no dia 12 de Maio de 2021. Eu fui convidado pela Gabriela para escrever com a temática viagem no tempo, uma ideia bem louca surgiu no meio da madrugada, e aqui estou eu falando sobre uma capivara que bebe café.

Em “O Último Dia do Inverno” todos os personagens são animais, acompanhamos a história do Sr. Inverno no dia em que ele recebe a inusitada visita dos renomados pesquisadores Dr. Sapiência e Dra. Liza R.D. da Agência Praeteritum, que alegam ser capazes de levá-lo numa viagem no tempo para o passado para uma última visita.

O livro já está disponível para compra na Amazon no formato digital, e mais tarde será possível adquirir alguns exemplares físicos sob encomenda conosco. Essa é a segunda antologia da qual faço parte, sendo que a primeira foi "As Lendas de Colina" lá em 2017, mal posso esperar pelo lançamento e tê-la na estante!

sábado, 8 de maio de 2021

Henry


"[...] Desde então, eu escolhi ajudar todas as pessoas que eu pudesse. Sei que estamos em guerra, isso é inevitável, mas existem formas de lutar por um mundo melhor que não seja carregando uma arma." — Henry, Capítulo 9 - Alma de Diamante.

Henry é um curandeiro nascido em Helvetica que entrou para o exército da Fortaleza Azul. Destacando-se como o Nº 1 de sua turma no Bosque Peridota  uma das escolas mais consagradas no ramo das artes da cura  ele se tornou um dos quatro alunos excepcionais de Volker King. Sua saúde debilitada prejudica seu rendimento em outras áreas, pois a magia branca tende a drenar grande parte da energia do usuário. Apesar de ser apenas um humano, Henry é um dos raros casos de humanos abençoados pela mana.

É um rapaz tímido, de temperamento tranquilo e reservado, mas se esforça ao máximo por seus amigos. É também um grande cozinheiro e especialista em tarefas domésticas, tendendo a agir como a "mãe da casa" mesmo entre seus companheiros de equipe. Possui um vasto conhecimento em história e ervas medicinais, tendo crescido em diversos templos e conventos onde estudou a religião do Totinismo, canto e magias de apoio.


Henry teve sua introdução no Support "Quando eu sair por aquela porta...", lançado em Maio de 2021. Sua primeira aparição no Livro 2 se dá no Capítulo 3 de Matéria - Alma de Diamante, onde ele participa da seleção de soldados junto de Auria Mercer. Como o Livro 2 funciona com capítulos alternados, a presença de Henry é frequente na história e ele sempre é visto ao lado de seus companheiros durante o treinamento.


  • Cura [Support] – Recupera os danos de seus aliados em troca de energia mágica;
  • Recuperação Divina [Support] - Cura status como envenenamento, queimadura, silenciamento, petrificação, sono ou paralisia;
  • Luz de Araya [Support] - Garante um bônus de +MAG para o usuário e companheiros;
  • Parede Protetora [Defensivo] - Cria uma barreira resistente à qualquer magia por um curto período de tempo;
  • Santuário da Lua [Defensivo] - Cria uma área ampla de proteção e cura contínua para todos que estiverem dentro do limite de seu alcance;
  • Benção de Araya [Habilidade Passiva] - Confere um bônus em sorte e mana;
  • Magia Sugadora [Habilidade Passiva] – O uso excessivo de suas habilidades leva ao esgotamento.
"Eu me recuso a acreditar que alguém como você não tenha nenhuma habilidade. Vamos lá, mostre-me suas perícias, suas qualidades. Todo mundo é bom em alguma coisa!"
— Volker King sobre Henry, Capítulo 7 - Alma de Diamante.

"Eu fiz tudo que eu podia".
— Henry, Capítulo 18 - Alma de Diamante.

  • Assim como Zeth, Henry é um personagem que foi criado exclusivamente para os livros. Ele não possuía nenhuma base nos gibis do autor, mas conquistou um enorme carinho dos leitores;
  • Suas vestes são baseadas nos curandeiros de Fire Emblem;
  • O significado do nome Henry é "o que manda em casa", o que é uma tremenda ironia tendo em conta que ele é um rapaz obediente e tímido.



sexta-feira, 7 de maio de 2021

Zeth


"Fico feliz que você ainda tenha alguém te esperando quando voltar. "
— Zeth, Capítulo 30 - Alma de Diamante.

Zeth é um dos novos integrantes que compõe o grupo de Auria no exército, e também um dos mais importantes no Livro 2. Pouco se sabe sobre o seu passado, mas dizem que ele é um garoto órfão que foi acolhido pelo Rei e por isso recebe prestígio ao ser considerado "seu sobrinho", apesar de não usufruir desta posição.

Um rapaz calado e observador, Zeth detesta ser tratado com exclusividade e por isso se comporta como um nobre comum que vive na Cidadela. Como o Rei nunca teve paciência e nem tempo para lidar com crianças, Zeth cresceu sozinho sendo enviado de uma província para a outra até completar a idade de ingressar nas academias. Recebeu cuidados dos monges no Templo da Lua onde aprendeu etiqueta, estratégias militares e noções básicas de treinamento para ingressar em uma patente elevada, ainda que essa não fosse a sua vontade, o que o levou a fazer o teste como qualquer outro soldado.


A introdução de Zeth aos leitores se deu no Support "Quando eu sair por aquela porta...", lançado em Maio de 2021. Sua primeira aparição nos livros é no Capítulo 3 de Matéria - Alma de Diamante, participando da seleção de soldados junto de Auria Mercer. Como o Livro 2 funciona com capítulos alternados, a presença de Zeth é frequente na história e ele sempre é visto ao lado de seus companheiros durante o treinamento.

  • Boa pontaria [Habilidade Passiva] – Garante um bônus em precisão com armas de longa distância;
  • Influência [Habilidade Passiva] – Sua posição permite que dê ordens para soldados e oficiais no exército de Constantia;
  • Liderança [Habilidade Passiva] - Garante um bônus em ataque e defesa para os companheiros em batalha.
"Bem, se fôssemos capturados pelo inimigo e ele for inteligente o bastante para usar isso a seu favor, ele tentará nos persuadir para obter informações. O intuito é que passemos para seu lado ou auxiliemos com qualquer tipo de notícia sigilosa que possa ser usada em futuros combates. É uma das principais artes da guerra: trate muito bem seus prisioneiros."
— Zeth, Capítulo 9 - Alma de Diamante.

"Veja só como você está crescido, meu garoto... Sua mãe estaria orgulhosa. Ela era uma das poucas pessoas nesse mundo que eu pude confiar, e lamento muito tê-la perdido na mesma data de hoje."
— conversa entre o Rei e Zeth, Capítulo 15 - Alma de Diamante.

  • O nome de Zeth surgiu como um comparativo de Seth, que carrega uma enorme importância na vida do autor, tendo surgido em 2003;
  • Zeth é um dos poucos personagens que não foram planejados nos gibis da infância do autor. Ele foi criado inteiramente para a saga dos livros.



quinta-feira, 6 de maio de 2021

Quando eu sair por aquela porta... [Support]

Quando eu sair por aquela porta...


Support Conversation [Auria e Courtney]

Gênero: Drama;

Tema: Banheiras e o passado de Courtney;

Sugestão da leitora: Shii.

 

Notas do Autor:

Há alguns anos uma amiga me pediu para escrever um especial que mostrasse como a amizade entre o grupo da Auria é divertida e respeitosa. Àqueles que ainda não conhecem os personagens, eles são introduzidos no Vol. 2 de Matéria – Alma de Diamante que nem foi lançado, mas mesmo que você ainda não saiba quem eles são, esse capítulo pode ser uma oportunidade bacana de conhecê-los. Apesar de a ideia original ser que ele fosse voltado para a comédia e até um pouco de ecchi com fanservice de sobra, acabei sentindo que era a chance perfeita de explorar mais sobre o passado da Courtney, e aí a ideia tomou um rumo que eu não imaginava. Por isso, deixo aqui o aviso de que pode conter alguns gatilhos sobre abuso, então leia com cuidado. De resto, espero que se divirta, e também reflita. Como sempre, que cause um amontoado de sensações!



A chuva piorou e agora as violentava com força incessante. Auria e Courtney corriam às pressas em busca de algum abrigo entre as ruelas estreitas da capital. As chuvas torrenciais eram intensas durante o verão e logo não havia mais nenhum rastro do calor quente e aconchegante de horas atrás, apesar da certeza de que aquele clima desagradável também iria passar.

Suas roupas estavam encharcadas até os sapatos. Não deviam ter se desviado tanto de seu percurso, mas Courtney era a culpada por parar em toda e qualquer loja pelo caminho — primeiro em uma de pingentes, acessórios, chapéus exóticos e por último a sorveteria antes de fechar. As duas garotas se abrigaram debaixo de uma construção baixa com o teto em forma de cúpula na praça, aguardando que o tempo desse sinal de melhora. Ainda estavam a pelo menos vinte minutos de caminhada até seu dormitório nos limites da fortaleza.

As duas se entreolharam ensopadas, morrendo de frio, e agora rindo sem parar. A maquiagem de Courtney estava toda borrada e os cabelos de Auria pareciam um porco espinho selvagem quando mexidos. A morena deu uma espiada por cima do ombro e notou que Courtney tentava tirar a água de sua camisa que estava levemente transparente, deixando à mostra o sutiã azul-bebê com rendinhas. Corou de nervoso, retirou a própria jaqueta e cobriu-a para protegê-la do frio.

— Ah, obrigadinha. Mesmo molhada, assim fica bem mais quentinho — agradeceu Courtney, encostando o rosto na jaqueta. — Ainda dá pra sentir o seu cheiro.

Elas ficaram bem perto uma da outra para se aquecerem. De repente suportar aquela chuva não lhes pareceu tão ruim.

Mas a paciência se esvaia lentamente, e logo descobriram que sorvete não sustentava o estômago. Estava escurecendo e os postes começaram a ser acesos nas ruas; àquela hora Henry devia estar preparando seu ensopado de lentilhas com bacon delicioso; se dessem sorte, teria também um balde cheio de pipoca para passarem a noite inteira conversando e fofocando sobre a vida alheia.

Auria virou-se aturdida quando notou que Courtney tocou seu rosto de leve, seus dedos deslizaram próximo aos lábios dela.

— Pronto — disse Courtney, lambendo os beiços. — Você estava com uma manchinha de sorvete. E pelo gosto era brigadeiro.

Auria a surpreendeu com um beijo repentino que fez Courtney derreter por dentro.

— E o seu era de morango.

Ainda atordoada e com as bochechas coradas, Courtney levantou-se num salto para olhar os arredores. Não havia ninguém na rua e a chuva não dava sinais de que iria parar.

— Quer dar uma passadinha em casa? — ela sugeriu.

— E você tem casa? — Auria perguntou intrigada.

— Óbvio que tenho, sua boba. Pensou que eu morasse numa caverna antes de entrar no exército? — disse Courtney rindo. — Eu acho que minha mãe ainda não voltou do trabalho à uma hora dessas, então temos meia horinha para dar um pulo lá, nos secarmos e colocar roupas limpas. Ainda tenho as chaves, mas vai ter que ser bem rápido porque não quero que ninguém me veja lá.

— Você é quem manda.

— Eu amo quando você me deixa no controle.

As duas saíram apressadas por entre os pingos gelados, a casa de Courtney era tão perto que realmente dava para enxergar o telhado. Localizada na zona dos humanos, era um sobrado apertado entre tantas outras casas idênticas em um bairro pobre da região. Precisaram entrar pelo quintal nos fundos, porque a tranca na frente havia sido trocada.

O interior era abafado e ainda mais estreito, com um longo corredor escuro que dava para outros cômodos menores. Só se escutava o barulho dos pingos lá fora.

— Vou pegar toalhas e trocar de roupa rapidão — falou Courtney. — Só não falo pra você se sentir à vontade porque, bem, já tem um tempo que eu não moro aqui.

Auria se moveu pouco e mal saiu da entrada. Tinha a impressão de que de alguma daquelas portas sairia um monstro assustador prestes a devorá-la. Sempre tivera curiosidade em conhecer a família dela, mas preocupou-se com o que via e não soube dizer como alguém tão alegre como Courtney poderia ter vivido tanto tempo trancafiada naquele lugar escuro e denso.

— Prontinho! — disse Courtney, vestindo um camisetão largo que lhe caía como um vestido. Ela ainda usava a jaqueta que já estava completamente seca, como se possuísse alguma propriedade mágica impermeável. — Aqui estão as toalhas. Vou só dar uma espiadela na geladeira, porque minha mãe costumava fazer uma gelatina de frutas deliciosa que eu sou apaixonada...

Assim que Courtney entrou na cozinha, deparou-se com um homem de roupão lavando a louça. O susto foi tão grande que a armadura de Auria ativou-se sozinha no corpo da pequena como um método de defesa, a garota tropeçou e caiu para trás de bunda no chão. O homem virou-se devagar para elas, sem demonstrar reação alguma diante dos estranhos em sua casa.

— Courtney? — ele perguntou com a voz baixa, porém rígida. — Quanto tempo.

— P-papai — ela murmurou, quase que inaudível.

Courtney recuou e escondeu-se atrás de Auria de forma involuntária. A forma como suas mãos puxavam as vestes dela demonstrava desconforto e inquietação. Suas pernas tremiam. Aquele velho senhor de idade não demonstrava perigo algum, mas sua presença parecia ocupar o cômodo inteiro como se ele cobrisse todas as paredes até o teto e não houvesse saída. Ele virou-se e ofereceu o café que estivera preparando.

— Eu não sabia que você viria — disse o homem.

— Eu não sabia que você tinha sido solto — respondeu Courtney.

— Fiquei surpreso quando sua mãe disse que você tinha saído de casa. — A fala do homem era mansa e tranquila, como quem não tem pressa alguma. Courtney mordia o beiço com tanta força que chegava a machucar. — Você vai ficar um tempo? Sua mãe está preocupada, porque você não mandou mais notícias.

— Estou servindo o exército, papai. Não tenho tempo para essas coisas — respondeu a garota. — Eu só vim aqui para me abrigar da chuva e buscar algumas coisas, mas já estamos de saída.

— Quem é a sua amiga? — perguntou o pai. — Ela é muito bonita.

— Auria Mercer, senhor — ela respondeu por si só com as sobrancelhas franzidas.

Courtney a segurou pela mão, implorando que partissem logo. O homem solitário bebericou um pouco de seu café e as vigiou silenciosamente.

— Ainda tem um pouco daquela gelatina que você adora — disse seu pai.

— Eu não quero.

Courtney destrancou a porta da frente e saiu às pressas sem olhar para trás. Até mesmo Auria teve dificuldades em acompanhar seu passado rápido, apesar de seus amigos sempre brincarem que ela tinha perninhas curtas e por isso precisava andar duas vezes mais depressa. O céu estava cinzento e sem graça, os cabelos rosados de Courtney eram o único vestígio de cor naquele mar de concreto. Auria percebeu que a água no rosto dela não era da chuva.

— Eu posso estar enganada, mas alguma coisa aconteceu naquela casa.

— Tudo aconteceu naquela casa, Auria — respondeu Courtney com a voz embargada. — Eu nunca deveria ter voltado lá, que ideia besta essa minha! Eu jurei que quando saísse por aquela porta eu seria uma pessoa nova, que nada mais disso iria me afetar, mas pelo visto eu continuo sendo uma idiota, estúpida, sempre me rastejando para onde está o perigo, sempre, sempre.

Ela começou a se judiar batendo na própria cabeça, mas Auria a segurou pelos ombros e a fez parar. Puxou-a mais perto de si e a abraçou, tentando transmitir algum consolo. Courtney chorava compulsivamente, seus braços tremiam e ela ia à direção oposta do dormitório como se apenas vagasse na chuva sem destino algum. Precisou ser guiada pelo caminho certo, tão antes chegassem, melhor.

A porta do dormitório se escancarou e Henry levou um tremendo susto da cozinha. Zeth pensou que as duas pudessem estar feridas pela forma como Courtney era praticamente arrastada porta à dentro. Auria a levou direto para o banheiro, onde as duas se trancaram. Seus amigos espreitavam do lado de fora, ansiosos e apreensivos por alguma explicação.

— Meninas, está tudo bem? — Zeth perguntou do outro lado da porta.

— Sim, sim — Auria respondeu brevemente . — Só nos dê um pouquinho de privacidade.

Henry e Zeth se entreolharam e retomaram seus afazeres, mas nada mais rendeu naquela tarde. Auria tentava controlar a ansiedade de sua amiga que balançava a cabeça constantemente em estado de negação, mordendo a língua para que ninguém lá fora escutasse seu choro.

— E-eu chamei ele de papai de novo. Foi sem querer — Courtney lamentava repetidas vezes. — Eu jurei a mim mesma que nunca mais o chamaria assim, mas ele me obrigava. Ele sempre me obrigou a fazer o que eu não queria.

Auria ficou sem reação, pois era a primeira vez que se deparava com alguém tão próximo que sofria abusos nas mãos de um familiar. Até então aquilo soava como uma história longínqua, como aquelas que só chegavam aos seus ouvidos vindos de outras garotas com quem não tinha contato algum. Pensou no próprio pai, que sempre fora tão compreensivo e acolhedor, e não conseguiu distorcer sua imagem de forma a torná-lo alguém ruim; mas a reação de sua amiga a faziam enxergar aquele velho senhor de roupão bebericando café numa imagem deformada e aterrorizante.

As duas permaneceram quase uma hora trancadas no banheiro até que Courtney recuperasse a compostura e estivesse em condições de conversar com seus amigos. Já estava antecipando o climão que ficaria entre eles, as perguntas incessantes, os olhares de pena.

No momento em que as duas saíram, havia quatro xícaras de chocolate quente esperando. Zeth estava estirando no chão comendo pipoca e estudando um livro de história sobre a Guerra das Espadas. Seus amigos agiram com toda a naturalidade e espaço que ela necessitava no momento.

— Eu não acredito que vocês tomaram essa chuva! Eu disse que a previsão dos magos hoje era de chuva, chuva e mais chuva — lamentou Henry.

— A gente meio que se perdeu no caminho — mentiu Courtney, seguido de um espirro.

Henry balançou a cabeça em sinal de negação. Foi até a bancada e preparou dois copos com líquido fervescente e duas pílulas na cor vermelha e amarela.

— Lamentável. Aqui. Tomem essa Vitamina C e engulam junto esse remédio de ervas para evitar de pegarem uma gripe. Vocês vão sentir sonolência e um pouco de cansaço, então quero que tomem um banho bem quente e só depois voltem aqui para beber o chocolate quente.

— Mas até lá vai ter virado chocolate frio — resmungou Auria.

— É só esquentar de novo, mané — disse Henry. Seus amigos achavam hilária a forma como o curandeiro agia com seriedade quando alguém estava doente, parecia até outra pessoa; sempre se preocupando com o bem estar e agindo como uma mãe observadora se certifica de que seus filhos permanecerão fortes e saudáveis.

— Eu não quero tomar banho — foi a vez de Courtney reclamar. — Pra mim já chega de água por hoje!

— Ah, não. Nem pensar — Henry tomou frente. — Quem lava as roupas aqui sou eu, e vocês não vão ficar zanzando por aí e molhando o assoalho que é de madeira. Quando o capitão voltar e o dormitório estiver cheirando a cachorro molhado, vocês vão ver o que é bom pra tosse!

Mesmo quando o curandeiro tentava parecer bravo ele falhava miseravelmente, mas sua ordem se tratando de enfermos era absoluta. As duas derrotadas estavam voltando para o banheiro quando se depararam com Zeth já com a toalha nas costas.

— Ei. Agora é a nossa vez — reclamou Auria.

— Nem vem. Vocês ficaram lá dentro cagando ou fazendo sei lá o que por uma hora, agora eu preciso usar também — retrucou Zeth entre risadas.

— Ô mãeeeee, olha ele! — brincou Courtney.

— Eu mereço... — lamentou Henry.

No fim das contas, alguém teve a brilhante ideia de entrarem todos juntos. Não se sabe dizer quem surgiu com o assunto, mas a banheira foi enchida com água quente até quase transbordar e logo todos os espelhos se viram embaçados com desenhos de corações, monstrinhos, uma árvore e algo de formato fálico duvidoso. Para preservar suas intimidades eles permaneceram de toalha, mas não havia vergonha alguma entre os quatro amigos que vinham treinando juntos já há alguns meses na Fortaleza Azul.

Auria lembrou-se de sua estadia na Pequena Colina, uma das mais famosas Casas de Banho em Century, onde as banheiras eram preparadas com água natural e sua única companhia feminina era Tootie na época. Courtney se ofereceu para lavar as costas de Auria e não perdeu a chance de provocar seus amigos insinuando gestos e toques com as mãos.

— Ai, gente, vocês agem como uns tremendos virjões! Desse jeito nunca vão conquistar uma garota — lamentou Courtney.

— E quem disse que eu quero um relacionamento agora? — indagou Zeth. — Essas coisas só complicam.

— Mas a vida é sobre lavar as costas um dia e ser lavado no outro! Vai, vira aí. Deixa que eu faço o serviço porque dizem que sou boa com as mãos — ordenou Courtney, Zeth não encontrou outra alternativa senão obedecer. — Essas suas cicatrizes... elas doem?

— Não são cicatrizes. São só marcas de nascença — respondeu ele com a voz séria. — E não, não sinto dor alguma. Acho que só dói quando escuto as pessoas fazendo comentários maldosos. Não é o tipo de coisa que gosto que as pessoas vejam.

— Puxa, e você não hesitou em mostrar pra gente. Isso que é confiança. — O sorriso de Courtney era sincero enquanto ela o enxaguava devagar. — Sabe, eu também não ligo de estar aqui compartilhando uma banheira com vocês. Em outros tempos isso seria impossível, e algumas pessoas podem até achar um tremendo absurdo, mas é que eu confio em vocês.

— Admito que eu também estranhei essa ideia do capitão de nos colocar para viver em um dormitório misto no começo — comentou Henry —, mas, vendo as coisas como são agora, eu não mudaria nada. Aprendi muito com vocês.

— Tipo o quê? — perguntou Auria.

— Que vocês também podem ser nojentas — falou Henry.  Eu odeio, odeio, odeio, odeio, odeio tirar cabelo do ralo. Que Araya me perdoe por essa ofensa, mas se eu precisar tirar outra vez sou capaz de ferir alguém.

— Para um padre você têm andado bem estressado — brincou Zeth. — Essa não. Será que estamos começando a ficar igualzinho ao capitão?

— Cruz credo, bate três vezes na madeira! — proclamou Courtney. — Por sinal, alguém sabe quando ele volta?

— Acho que só daqui uns três dias — explicou Henry. — Ele disse que foi escalado para uma missão de reconhecimento na costa que contorna o Monte Rochoso e a Caverna dos Aukalakas, mas não encontraram nada. Mas isso vocês já deviam saber, ninguém presta atenção no que o capitão diz?

— Só quando dá vontade — disse Zeth em tom zombeteiro. — Ele é como um pai pra gente, então, como bons filhos só escutamos o que queremos.

O semblante de Courtney se fechou na mesma hora ao escutar aquela comparação. Ela sentiu o sabor férreo de sangue no machucado em seu beiço quando o mordiscou. Auria segurou a sua mão, seu gesto por si só deixou claro que ela não era obrigada a dizer nada que a deixasse desconfortável. Por algum motivo, Courtney sentia que não queria mais esconder nada de seus amigos, por isso vestiu seu melhor sorriso e falou em voz alta:

— Eu tenho algo a contar para vocês. Mas não é bonito e nem engraçado, então me desculpem se eu cortar o clima, mas é porque não aguento mais manter isso guardado dentro de mim.

Courtney contou sua história. Contou detalhes que nem mesmo ela se lembrava até então, como se sua memória tivesse se certificado de apagá-los para evitar que voltasse a sofrer. Auria escutou angustiada, seu punho se fechava cada vez que ouvia um relato inédito de tudo que sua amiga passara nas mãos daquele homem. Henry cobriu os olhos e chorou baixinho, e todos eles se admiraram pela forma como Courtney contava tudo sem demonstrar tristeza ou mágoas.

Quando a história terminou, os quatro permaneceram quietos e desnorteados, ainda tentando assimilar tudo que havia acontecido. Era diferente de escutar relatos e acontecer com alguém do seu lado, e eles se sentiram péssimos por nunca ter perguntado ou oferecido ajuda.

— Nós demos sorte que o capitão não está aqui para ouvir isso — falou Zeth de repente. — Eu juro que ele iria atrás do seu pai para espancá-lo, quem sabe até matá-lo.

— E que ele continue sem saber, então, zíper na boca — respondeu Courtney, fazendo um sinal com as mãos. — Não quero arranjar mais dor de cabeça. Eu só fiquei muito assustada quando passei em casa hoje e descobri que ele voltou a morar com minha mãe. Ela é uma tremenda idiota por aceitar viver com ele depois de tudo o que fez conosco.

— Às vezes ela não tinha outra opção, Courtney — respondeu Henry, compreensivo. — Muitas mulheres se veem nessa situação e optam por não agir com o medo da punição. E tenho certeza que ela lamenta muito por tudo que aconteceu.

Courtney concordou com a cabeça. Seu único desejo era que sua mãe ficasse bem. Colocar tudo aquilo para fora a fez sentir-se mais leve, e então, pela primeira vez ela se viu derrotada e não pôde mais suportar o choro. Beliscou-se discreta, tentando se machucar de qualquer maneira para impedir que seus amigos a vissem naquelas condições como uma criança que teme ser apanhada.

— O papai... meu pai não é uma pessoa má, sabe? — ela indagou entre lágrimas, ainda sofrendo com a dúvida. — Ele está tentando melhorar, eu vi. Será que eu deveria dar uma nova chance para ele?

Zeth levantou-se aturdido e não escondeu seu constrangimento e fúria diante daquela declaração.

— Você consegue escutar o absurdo que está dizendo? Por Yllata, Courtney! Se eu visse esse homem na minha frente eu nem sei do que sou capaz de fazer. E pode ter certeza que, ao invés da prisão, ele iria direto para um hospital ou coisa pior.

— Não! — rogou a garota. — Não faça nada contra ele, por favor!

— Courtney, pare, você o está protegendo — retrucou Auria.

— Pessoal, vai com calma — suplicou Henry, tentando soar razoável. — Esse é um assunto delicado. Essa reação pode ser instintiva, e ela diz isso como forma de defesa diante de uma punição evidente.

Seus amigos se deram conta de que Courtney chorava abraçada aos próprios joelhos. Ela não mereceria ter de passar por toda aquela situação outra vez. Entre palavras desconexas ainda era possível distingui-la dizer: “Ele vai me achar. Ele vai saber que fui eu que contei. É tudo culpa minha por eu ser muito dada.” Auria ajoelhou-se e a abraçou, seguida por Henry e Zeth.

— Já chega — disse Auria com um suspiro. — Chega dessa história, chega dessas lembranças. A Courtney que conhecemos é uma versão nova, longe dos fantasmas que a assombraram em seu passado. Você nunca mais vai passar por aquela porta. Nós estamos aqui, e jamais permitiremos que isso volte a se repetir.

A respiração da garota aos poucos estabilizou e ela se permitiu relaxar. Quando saíram do banho, o chocolate quente estava frio e espesso, mas bastou esquentá-lo para que voltasse a ficar saboroso.

 

O dia seguinte amanheceu claro e com muito sol, mas Courtney acordou com um tremendo resfriado e precisou ficar de cama. Não tinha o que reclamar, afinal, seus amigos fizeram de tudo para que ficasse confortável  ganhou massagem nos pés, comida na cama e um cafuné gostoso antes de dormir às quatro da tarde.

Auria aproveitou a deixa e voltou à cidade para uma visita rápida. Lembrava-se de cabeça onde se situava a casa espremida que agora lhe causava um desconforto ainda maior. Tocou a campainha da frente e aguardou até que alguém a atendesse. Quem abriu a porta foi o pai de Courtney, vestido com o mesmo roupão cinza e uma caneca de café amarela na mão. O homem a reconheceu de imediato, mas seu rosto era incapaz de demonstrar reações.

— Ah, você voltou... 

Em outros tempos, Auria o teria dado um soco bem dado na boca. Pensou naquele pirata na Ilha dos Geckos que apanhara e perdera um dente por muito menos, e diziam que seu punho poderia colocar qualquer homem de joelhos; mas naquele momento, encarando a pobre e miserável figura em sua frente, percebeu que ela já estava destruída por dentro sem chance de conserto. Havia pouco que pudesse fazer para dar-lhe uma lição, e qualquer atitude inadvertida de sua parte logo espalharia os boatos por todo o bairro de que os alunos de Volker King eram um bando de arruaceiros violentos e arrogantes.

Auria ergueu um único dedo e o aproximou bem perto do nariz do homem antes de lhe dar a seguinte ordem:

— Eu gostaria que o senhor nunca mais chegasse perto da Courtney. Eu quero que saiba que ela está muito melhor conosco agora.

O homem fungou com o nariz e balançou a cabeça devagar, como quem faz uma promessa sem significado algum. Assim que Auria se distanciou, ele ergueu o tom de voz e fez seu pedido:

— Cuida da minha menina.

Auria precisou voltar só para deixar claro as suas intenções.

— Ela não é sua. A Courtney não pertence a ninguém.

Quando voltou para casa, Henry estava preparando uma sobremesa sem igual — gelatina colorida com frutas variadas, pois eram as favoritas de sua amiga.



Compre aqui o seu!

Menu Principal






Menu Secundário






Estatísticas




POSTAGENS
COMENTÁRIOS

PARCEIROS [BUTTON]

TDM-Subs



Tecnologia do Blogger.

Comentários Recentes

+ Lidas da Temporada