sexta-feira, 1 de abril de 2016

Capítulo 3


A academia da Vila das Pérolas tinha história — primorosa e antiga —, diziam que grandes guerreiros da raça humana caminharam por aqueles corredores. Era um porto usado para transporte de mercadorias, o turismo havia sido abandonado depois que as pérolas perderam seu valor comercial. Oitenta e cinco porcento da população era formada por estudantes, os alunos consideravam a academia como uma continuação do ensino fundamental, a diferença era que podiam ser convocados para a guerra sem aviso prévio. Muitos clamavam pelo chamado, enquanto outros consideravam uma desonra serem deixados para trás.
A torre principal era rodeada por seis prédios diferentes, cada um deles representava uma especialização: a espada trazia seu significado de honra e glória; o escudo, a proteção; a lança era a agilidade; o machado pela força bruta; o arco e flecha pela destreza e a mana como todas as energias que permeavam o mundo.
Assim que Ralph chegou ao portão — onde sua cabeça ficara presa na noite passada —, pôde ver toda a grandeza da academia e dessa vez sem limitações. A partir daquele ponto estaria decidindo o tipo de treinamento que levaria para os próximos anos, se seria um guerreiro disposto a defender sua nação, ou talvez um mago capaz de manusear magia com esforço de sua mente.
Ralph notou que nenhum dos outros alunos trazia os devidos equipamentos para uma batalha. Onde estavam as espadas e escudos? Pensou que nunca mais precisaria de apostilas pesadas. Um pensamento lhe percorreu — sua estimada professora, Srta. Clover, dissera certa vez que os livros eram as armas mais poderosas que ele poderia ter em mãos. Não discordava, pois ela os arremessava com muita força quando estava estressada, e aquilo o fez rir.
Ralph adentrou o saguão e passou por corredores repletos de salas que eram preenchidas por alunos. Janelas de um estilo clássico medieval revelavam a idade do território, como um castelo imponente do passado.
Chegou perto de um balcão onde residia uma senhora de óculos coberta por papeladas. Ela entregava os devidos documentos para os novatos.
— Oi, moça — Ralph a chamou, o que era uma gentileza, pois a velha parecia ter pelo menos uns cem anos. — Posso me inscrever?
— Dá para sentar e esperar como todos os outros? Você não é especial.
Ralph concordou e foi sentar-se. Por acordar cedo, seria um dos primeiros a ser atendido, mas ainda odiava esperar em filas, sentia-se preso, quase torturado, cada minuto perdido era uma tremedeira em suas pernas.
— Olá. Já decidiu o que vai fazer? — perguntou para o rapaz ao seu lado, puxando conversa só para não ficar parado.
“Não faço ideia”, foi a resposta que mais recebeu. Era interessante notar como na verdade todos aparentavam estar agoniados ou aflitos.
— Eu não queria estar aqui — repetiu um deles assustado, uma gota de suor escorrendo pelo rosto —, gostaria de ser dispensado. Eu só queria ir embora.
Quando chegou a vez de Ralph, a feição de desânimo da secretária se intensificou por algum motivo.
— Bom dia. Seja bem-vindo ao Curso Preparatório Classe E da Academia da Vila das Pérolas. Qual área pretende prestar? — a atendente perguntou de forma automática, logo acrescentando como se já soubesse o que iria ouvir: — Se ainda não tiver decidido o que fazer, pode deixar em branco ou marcar todas.
— Eu sou Ralph, da Espada de Madeira!
A mulher ficou sem reação, as pessoas sentadas na banqueta da fila começaram a rir. Atender novatos confusos e cheios de dúvidas com as mesmas respostas há anos não era uma tarefa interessante, mas vez ou outra aparecia algum louco para diverti-la.
A velha ajeitou os óculos na ponta do nariz e voltou a escrever.
— Eu perguntei a área que pretende seguir em seu ensino; se pretende tornar-se um espadachim, guerreiro, mago, arqueiro, defensor, alquimista, especialista, o que quer que exista nesse universo, não entendo nada mesmo... Já tenho seu nome escrito aqui embaixo, só não precisa me fazer passar por essa situação novamente.
— Ah, desculpa. Quero muito ser um soldado — Ralph respondeu. A velha mantinha o semblante estressado enquanto esfregava as têmporas.
— Todos vocês serão aprendizes Classe E antes de se tornarem soldados. Todos servirão alguém. Seja mais específico.
— Pode colocar “espadachim”, então.
A mulher arrancou uma única folha do topo de sua pilha.
— É só preencher. Tenha um excelente dia.
Com o papel em mãos, foi até uma sala repleta de outros garotos que completavam o mesmo questionário em silêncio. Era visível o quanto aquele ambiente o incomodava. Ralph tinha um ar perdido, louco pra fugir dali, a coçadinha na cabeça, as mãos, o olhar que nunca olha de fato. Tinha dificuldade em lidar com esse bombardeio de informações do mundo externo. Precisava apenas completar uma ficha básica de inscrição; pedia nome, origem, vocação, habilidades especiais, perícias e mais um monte de outras questões que nem soube dizer para o que serviam.
Ele era um aprendiz Classe E, deveria seguir as letras do alfabeto D, C, B e A conforme crescesse em seu patamar, mas não tinha tempo para aquelas coisas. Queria chegar logo ao S, um nível que somente as lendas foram capazes.
— Olá, caro companheiro de sala. Poderia emprestar-me esse objeto que você usa para escrever? — Ralph perguntou de maneira gentil.
— Tô usando. Não tá vendo?
Ralph fez um aceno com a cabeça e concentrou-se em sua tarefa, mas logo voltou a atordoá-lo:
— Então poderia emprestar-me qualquer coisa para que eu possa escrever minha ficha de inscrição?
— Você veio aqui para se inscrever e não trouxe nem os documentos básicos para isso? Em que mundo vive?
— Existe mais de um? A ideia de que podem existir outros mundos e que nossa existência aqui não passa de algo insignificante dentro dos planos de uma entidade maior é intrigante.
A velha na secretaria pediu silêncio em voz alta. Ela ainda observava de longe, desconfiada. Levantou-se de sua cadeira e bateu com força uma caneta na mesa do garoto. Ralph soltou um murmúrio de alegria e agradeceu o gesto.
— Muito obrigado, minha boa senhora! Que as entidades possam acompanhá-la em sua demanda atrás daquilo que procura. Um dia você ficará orgulhosa de ajudar o próximo.
— Preenche logo a ficha. Não tenho o dia todo.
Ralph mexeu-se contente em sua cadeira e olhou para o papel. Sua segunda missão era interpretar tudo aquilo. Segurou a caneta e começou a rabiscar. Vez ou outra a secretária olhava de relance para ver o que ele fazia, uma vez que se passara quase meia hora e o garoto ainda não saíra de lá.
A secretária foi em sua direção e apoiou-se na mesa.
— Está tendo dificuldades — afirmou. Era óbvio que estava.
— Olha só o meu desenho, não é legal?
— Muito interessante. — Estava pouco interessada, mesmo que os dragões que ali estavam fossem bem legais. — Agora me diga, está tendo dificuldades para preencher o quê?
Ralph olhou para o papel de inscrição que estava desenhado até as bordas. “Tudo” seria uma boa opção. Cenas de batalhas enfeitavam os cantos enquanto lagartos voadores cuspiam fogo contra as palavras. Era uma cena criativa, de fato o menino levava jeito nos rabiscos e nas ideias.
Ralph forçou a visão para enxergar o nome da secretária em seu crachá.
— Dona Lurdinha, a senhora conhece os generais que lideraram suas raças para a vitória durante a Guerra dos Heróis? Eles foram os guerreiros mais incríveis da história, os únicos Classe S de seu tempo: Canas, o Descobridor do Mundo; General Defesa, a Muralha Impenetrável; e o gecko mais poderoso que pisou nesta terra, Tokay, Asa Negra. Foram eles que derrotaram Glaüner, o Dragão das Maldições, e o aprisionaram em algum lugar misterioso de nosso reino para que ninguém nunca mais o despertasse!
A velha passou a mão em seus cabelos a ponto de arrancá-los. Os demais alunos na sala davam risadas baixinhas, mas Ralph nem as ouviu ou então preferiu ignorar. Antes que alguém perdesse o controle, surgiu um sinal de inteligência.
— Ah, sim, estou com dúvida em algo. Veja, aqui está dizendo “qual a sua raça?”. Quero dizer, a minha, não a sua. E há quatro opções a serem marcadas, pedindo para que eu assinale apenas uma.
A secretária olhou para o jovem numa clara expressão debochada.
— Você está falando sério? H-u-m-a-n-o — ela enfatizou cada sílaba.
— Mas eu não sou humano — Ralph respondeu de forma breve, quase ofendido, fazendo os demais agora rirem tão alto a ponto de a velha senhora bater na mesa e mandar todos calarem a boca.
Ralph continuou:
— Sou meio-humano e meio-gecko — corrigiu.
Há quem acreditasse que os geckos adotavam crianças para cozinhá-las num caldeirão e depois devorá-las como se fossem criaturas folclóricas, mas o Senhor Tokero e a Dona Nakara tinham todos os traços que uma família comum de velhinhos presos à rotina da vida no campo. Nakara perdera os três filhotes há mais de vinte anos quando eles ainda não passavam de ovinhos, por isso decidiu que nunca mais seria mãe. Ela encheu-se de orgulho quando a oportunidade de cuidar de Ralph apareceu, apesar de ser velha e sua memória não estar tão boa. Ainda assim, seu instinto materno nunca se esquecia de preparar-lhe sanduíches de mortadela quando ele saía para brincar.
Ralph cultivava uma pequena chama em seu coração que o confortava quando pensamentos sobre seus pais biológicos vinham à tona. Deviam ter seus motivos para tê-lo deixado sozinho. Com quinze anos, não era tolo o bastante para achar que pertencia à raça dos geckos, mas julgava-se parte deles e o respeitava como sua única e verdadeira família. Quando fosse mais velho e entendesse das coisas, registraria a si mesmo como meio-gecko (apesar de não fazer ideia de onde começar).
Dona Lurdinha achava que a situação era pior do que aparentava.
O garoto foi enviado para uma sala nos fundos que estava vazia. Fazia um bom tempo que não lidavam com uma situação como aquela e, por isso, teriam de rever o assunto com as autoridades.
Sobre a mesa estava um pequeno orbe azulado, do tamanho de uma bola de beisebol. Era uma Esfera de Comunicação, o meio de contato mais rápido do reino, um item raro e caro. Quando dois orbes se encostavam um no outro uma única vez, eles se conectavam através de eletromagnetismo e podiam manter contato através de sons e imagens mesmo a milhares de quilômetros de distância.
A mulher tocou o orbe e esperou a resposta de seus superiores. Ralph a olhava desconfiado.
— Aqui é da Vila das Pérolas, estação de Myriad número 220-64-3. Temos um pequeno problema... Um mestiço. Não, não possui nada visivelmente repugnante, só é um pouco esquisito. Parece que tem dificuldades na leitura e falta de processamento audititivo... — dizia a mulher, logo abaixando o tom de voz quando viu que Ralph a observava. — Ele disse que é metade gecko.
A última palavra soou como um espirro. A resposta logo veio. A atendente soltou a mão do orbe e a imagem se desfez. Voltou a atenção para o rapaz e falou:
— Venha comigo.
— O que vamos fazer, dona Lurdinha? Nós vamos começar a treinar juntos? Você será a minha mestra? A minha treinadora? A capitã de meu batalhão?
— Nada disso. — A atendente sentou-se em sua cadeira de forma confortável com um sorriso de orelha a orelha, como se cantasse a vitória por uma luta vencida. Ela carimbou a ficha desenhada de Ralph e entregou-lhe como uma carta de alforria. — Você acaba de ser dispensado. Obrigada por vir até aqui, Ralph Token. Reúna seus pertences e pegue o próximo trem de volta à Helvetica. O Reino de Sellure agradece a sua participação. — E desta vez ela fez questão de encher a boca ao frisar: — Tenha um excelente dia.
Ralph ficou desolado, não sabia qual reação tomar. Viu a senhora em sua frente carimbar um papel de dispensa e mandá-lo embora, para o caminho oposto de seu sonho, para uma viagem de trem de volta à sua cidade onde seus pais adotivos aguardavam orgulhosos o seu regresso como uma figura importante e influente, ou ao menos feliz e sucedida, alguém que venceu na vida.
Viram partir um menino e esperavam retornar um grande homem. Agora, voltaria como um fracassado.
— Mas que... ódio! Amaldiçoados sejam os papéis carimbados e assinaturas — Ralph contestou, levantando-se da mesa e sentindo um ódio profundo daquele lugar. Queria bater os pés com força no chão, quem o ouvia do corredor até se assustava. A velha continuava quieta. — Droga, droga, droga! Por que fez isso comigo, dona Lurdinha?
— Está jogando a culpa em mim? Só estou fazendo meu trabalho, garoto.
— Mas é injusto.
— Se quiser discutir sobre justiça, está no mundo errado.
— Por todas as entidades divinas de Sellure, o que eu vou fazer agora?
— Por que não vai embora e me deixa em paz?
Muitas palavras estavam presas em sua garganta. Talvez fosse melhor não ter ficado brincando com o papel de inscrição, bastasse ter pensado um pouco. Era melhor parar com as brincadeiras. O garoto fechou a porta com força ao sair, ficou encarando seu documento de dispensa do lado de fora, mas não se deixou abalar. Quando estava prestes a sair, voltou para a sala da secretária e bateu na porta.
— Dá licença, dona Lurdinha.
— Ainda está aqui? — Ela falou desinteressada.
— Sim. Sei que a senhora não tem nada a ver com essa decisão, então me desculpe por ter descontado minha raiva em você. Minha família gecko me ensinou a abraçar as pessoas quando fico feliz, confuso, ou até mesmo com raiva. — Ele foi até ela, deu-lhe um abraço rápido e voltou para perto da porta. — Então desejo a você um bom dia, saiba que não desistirei dos meus sonhos.
A secretária estava boquiaberta. Quando Ralph deixou o lugar, ela guardou o lápis e observou a curiosa figura que a arrancara da rotina. Não pôde esconder um sorriso de relance nem a sensação tão estranha em seu peito.
— Tenha um bom dia você também — murmurou antes de retornar ao trabalho.
Ralph saiu do prédio principal da academia com o papel de dispensa em mãos. Amassou o papel e jogou-o numa lata de lixo — o que teria causado um sério alarde caso um instrutor o visse cometendo tal crime. Nenhuma força externa poderia modificar o que estava dentro de seu coração.


  15 comentários:

  1. Aaaaaah cara, nem acredito que esse foi o último! ç_ç

    Bem, você tinha dito que seriam só 3 desde sempre, então o que nos resta agora é aguardar o lançamento do livro, né? Mal posso esperar!

    E você termina justo na parte onde Ralph parece que vai meter o loko e entrar no exército à força! Que isso!? Esse menino endoidou, alguém chama a polícia!

    Eu já estava pronto para fazer um comentário sobre como o jeito gentil dele faz a grosseria dos outros parecer insignificante, mas aquele momento de raiva era algo que eu não esperava. Mas de certa forma eu gostei. Isso mostra que o Ralph não tem total controle sobre suas emoções, e isso o torna mais humano. Depois de dois capítulos sorrindo, vê-lo ter uma reação tão diferente certamente aumentou a nossa curiosidade sobre a personalidade dele.

    Não culpo o Ralph. Formulários de inscrição são verdadeiros pesadelos! Me coloque para lutar na mão contra dragões, mas não me faça preencher um formulário! Tá louco, véi!

    Agora fico pensando no que ele pretende fazer para que seu sonho não se destrua. Uma pena que vai ficar pra depois, porque parecia que agora seria pra valer o início de uma lenda.

    Parabéns pelos três capítulos, cara. Sei que se você continuar com foco e paciência, esse livro vai sair mais rápido do que você imagina.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nem fale, cara, chegamos ao fim... Eu gostaria que durasse eternamente, que fosse mais uma daquelas longas fics com 100 capítulos e mais 200 extras, que saudade! kkkk Mas é como eu havia mencionado, precisei encerrar no 3 justamente para deixar esse desfecho, o que ele vai fazer agora? O Ralph acaba de ser mandado embora, é como prestar um vestibular e reprovar, ir para a entrevista de emprego e não ser aceito, baixar a demo de um jogo e acabar na melhor parte; e você só tem UMA chance. O que fazer? Quais atitudes tomar? Surtar e tacar fogo em tudo é uma boa kkkkkkk

      Das opções disponíveis, ou ele vai acabar com todo mundo e entrar nessa porra à força, como você citou, ou... talvez ele sente e chore kkkkk Ah, estamos falando de um cara versátil, Ralph vai dar um jeito. Pode não ser o melhor, mas é o que temos por hora. Adicionei a cena do momento de raiva ontem, enquanto revisava o capítulo. Achei que seria importante ressaltar esse lado mais humano, não estamos lidando com um garotinho infantil e inocente, ele tem todo direito de perder a paciência, o que o torna diferente é como ele levará a situação adiante.

      Cara, devo agradecê-lo pela presença frequente nessa bandas, foi muito importante para mim. Estou pronto para retomar minha revisão dos capítulos finais e partir com tudo! Quando o livro lançar não poderei mais contar com seus comentários semanais, mas adoraria saber o que você achou do relacionamento com a Auria, do personagem guaxinim, dos antagonistas, geckos, enfim, tudo. O apoio da galera da Aliança me motiva, e exatamente como aconteceu com a Anne, eu me orgulharei de mencionar a Aliança Aventuras na dedicatória final. Em nome da irmandade! BROFIST.

      Excluir
  2. JÁ TA SE INSCREVENDO PRO EXÉRCITO, PARECE QUE FOI ONTEM QUE EU LEVEI ELE NO PRIMÁRIO E...
     ....
    Estamos nos ar? Droga. Caham!

    Yo Canas, capítulo 3 concluído e todo mundo se remoendo pra saber o que vai acontecer.. Adeus unhas :v

    Ralph acordando de manhã me dá uma inveja, de verdade, eu durmo feito uma pedra e não controlo o sono. ME ENSINE SUAS TÉCNICAS, DEUS RALPH!

    Aaah, o primeiro dia numa escola nova, basicamente o Ralph sentiu o que todos sentem : Insegurança e curiosidade. Mas o Ralph consegue ficar sorrindo como se fosse uma coisa rotineira.

    Vamos falar de como o Ralph sofreu? Vamos. PUTA QUE PARIU, pra que tanto mal humor pessoal? EMPRESTA O LÁPIS PRO MENINO!

     Juro que esse foi o capítulo que mais me fez sentir raiva, aquela vontade de entrar na história e socar quem responde de forma grosseira pro Ralph. Só três capítulos e a gente quer colocar ele num casulo e proteger ele, tá fazendo um bom trabalho.

    ELE DESENHOU DRAGÕES NA FOLHA DE INSCRIÇÃO, VOU ADOTAR ISSO NAS MINHAS  PROVAS, COMO NÃO PENSEI ANTES?! HAUSHAHSHA

    Opa, Capitão Canas, é? Será que eu vou gostar desse personagem, será? Não sei, o nome me é familiar HAUSHAHS 

    Gente, dispensaram o menino só porque ele é meio gecko? OLHA O BULLYING, é errado e dá cadeia. DEIXA MEU FILHO ENTRAR NESSA DROGA!

    Além disso... Token... Isso me lembra Tolkien :33 O DEUS DO UNIVERSO <3

    Parabéns pelo capítulo bro, estou ansiosa para a estreia do livro <3

    Abraços
    ~Star-chan

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hey, Star! Estou louco para mostrar um support que fale sobre a infância do Ralph, dos tempos dele na escola e também algumas menções à professora dele (porque professoras <3 kkkk) Parece ontem mesmo que vi esse menino correr pelas minhas páginas atrás de uma aventura... Pois é, senhorita, você será privilegiada com a chance de continuar acompanhando o menino Ralph crescer, e espero que se surpreenda! Foi de coração :3

      Preciso começar a chamá-lo mais de Menino Ralph, é fofinho, vai virar marca kkk Vamos colocá-lo num jarrinho e alimentá-lo com folhas!
      Sério, não desenhe dragões na sua prova, ou seu professor vai se divertir muito mostrando para os outros alunos e fazendo-os rir, experiência própria :v (Mentira, nunca fiz isso, mas já desenhei uma menina e, bem... o final foi parecido kk) CAPITÃO CANAS, A WILD REFERÊNCIA APPEARED! kkkkkkkkkk

      Caramba, Token, Tolkien... Não foi proposital, eu nunca tinha feito essa relação, Token veio de Tokay que era o nome dos geckos antes de serem chamados assim, mas gostei de você ter notado isso, eu nunca teria percebido, obrigado! kkkkkk

      Agora mal posso esperar por sexta, ouvir mais algumas opiniões é sempre bem vindo! :3

      Excluir
  3. aaaaaaaaaa Ralph is waaaaay too perfect for this world

    Tadinho ;-; tomara que tudo de certo, to derretendo de vontade de ler o resto agora XD

    A secretária foi tocada pela compaixão do Ralph <3

    Obrigado moço Canas , quero muito ler isso OUO

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado por estar acompanhando esta longa jornada, companheiro! T-T É muito importante para mim. No fim das contas o povo recebeu o Ralph muito bem, não apenas como um protagonista chato que faz bobeirinhas, acho que deu pra sacar que ele tem uma pegada muito mais profunda do que isso kkkkkk

      E cara, sei que vai demorar pra caramba, mas essa velha secretária volta a aparecer beeeeeem lá pra frente. O destino e suas peças! kkkk Valeu, parceiro, vou continuar dando o meu melhor para fazer este livro chegar até vocês o mais rápido possível <3

      Excluir
  4. Foi curto ;-;

    E é só isso que tenho de reclamar,pois já me sinto como:

    O Observador que Tudo Vê (Dos livros,claro)

    Mas bem,pena que foi o ultimo do blog,no entanto eu desejo um rápido lançamento e sucesso para o livro.E sobre o cáp achei meio diferente do que seria o cáp 3 de outros livros,pois normalmente o protagonista já teria algo muito importante em mãos para cumprir,no entanto,aqui Ralph mostra que o cotidiano é coisa pra louco,mostrando que o melhor caminho para se seguir em um teste é desenhar nele!(Mentira!)

    Bem,o mais parecido que já fiz foi ficar desenhando na folha de rascunho do simulado e desenhar na mesa em que estava fazendo o simulado,coisas assim.

    Por fim,mais uma vez foi provado que embora não bem versado na arte do grande conhecimento geral,Ralph tem fortes raízes na arte chamada de gentileza e demonstração de sentimentos,coisa que se perdeu em vários locais.

    Pois bem,é só e até mais!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hey, Sir! Companheiro, levando em conta essa questão do tamanho, aproveito para deixar uma pergunta: Você prefere capítulos longos ou curtos? Eu, particularmente, sempre gostei mais de capítulos longos e bem trabalhados, mas falando em livros, as pessoas gostam de parar na metade, dar um tempo e ir fazer outras coisas, principalmente quando leem no ônibus ou entre intervalos. O Capítulo 3 que postei aqui tem cerca de 2500 palavras, e o Capítulo 4 tem 2300. Originalmente eles eram um único, mas acabei optando por separá-los. Acha que eu deveria dar preferência para um capítulo longo logo de cara? 4800 palavras é um tamanho considerável para início de jornada, mas tudo depende da maneira como ele flui e não se torna cansativo. Agora é a hora de receber um feedback dos leitores! kkkkk

      Interessante você citar essa diferença dos livros comuns, a essa altura já deveríamos ter nosso herói encaminhado em sua jornada, um objetivo fixo, um vilão iminente e toda a trama construída, não? kkk Mas é aqui que está o charme da história do Ralph, ele é como qualquer um de nós que imaginava que ao envelhecermos teríamos a resposta para todas nossas dúvidas na infância, mas não é isso que acontece... Na verdade, quanto mais o tempo passa, mais alguns de nós continuam perdidos kkkkkkk Eu levo o cotidiano para outro nível, faço a aventura parecer uma aventura do dia a dia, como ir para o trabalho, conseguir um emprego novo ou uma nota boa no vestibular. De forma oculta adoro explorar essa realidade de nossa vida num universo fantasioso! Afinal, os personagens também são como nós.

      Fico feliz que tenha gostado, 3 capítulos foram o suficiente para mostrar quem é o Ralph e quais são suas virtudes; mas bem que seria legal ter mais alguns kkkkkkkk Bom, na pior das hipóteses ainda teremos alguns supports para explorar o passado e a infância de certos personagens! Qualquer conteúdo adicional é sempre bem vindo :)

      Excluir
    2. Bem,respondendo a sua pergunta,gosto mais de longos capítulos,pois atualmente leio rapidamente umas 7,8.000 palavras,sendo então esse o motivo de eu começar a ler muitas light novels e web novels seguidas,sem pausa.

      Dependendo do dia,creio que leio facilmente bem mais de 400.000 palavras.

      Excluir
    3. Capítulos de 8.000 palavras eram a média que eu tinha para cada parte da Liga Pokémon lá no Aventuras em Sinnoh kk Não sei se chegarei nessa média agora, mas até umas 5.000 deve ser um número interessante para leitores menos acostumados, e também para mim, acho que nunca cheguei às 10.000 palavras num único episódio, meus dedos iriam cair no fim do dia! kk

      Caracara, com 400.000 palavras você terminaria o meu livro inteiro duas vezes e chegaria na metade da terceira leitura! kkkkkkkkkkkkk Fechei ele com cerca de 150.000 palavras e umas 425 páginas. Pelo menos fico feliz que leitores como você não se importem com o tamanho, pois para mim um dos maiores desafios era não ultrapassar a média das 500, já fiz cortes de mais de 60 páginas até agora.

      Excluir
    4. Cortes de mais de 60 páginas?Isso não atrapalhou um pouco o original previsto não?

      Excluir
    5. Pior que não cara, justamente por isso foi importante receber o feedback de um amigo e das minhas irmãs para perceber o que era filler e o que não era. Retirei dois capítulos imensos que eu gostava muito, mas eles não acrescentavam em nada o roteiro. O primeiro deles era quando o Ralph conversava com um grupo de crianças e fazia algumas divagações filosóficas, tinha uma mensagem interessante, porém clichê, então logo foi descartado (ainda que eu tenha reclamado muito para aceitar kkk) E o outro foi uma batalha muito louca contra uma lula gigante logo no finalzinho do livro, era uma aparição clássica dos meus gibis que eu desenhava quando pequeno. Tratava-se de um easter egg particular meu, mas dentre todos os capítulos, foi o mais sujeito a ser cortado. No fim das contas, após tirar muitos parágrafos e conversas redundantes, acabei resumindo 60 páginas e acrescentando outras 60! Então, deu na mesma kkkkk

      Ainda sim, pretendo postar esses dois capítulos cortados aqui no blog como um "Cenas Deletadas". Além dos clássicos supports, é claro, até porque ver os personagens ficarem de bobeira em casa cozinhando panquecas é a melhor coisa kk

      Excluir
    6. Panquecas,uma das grandes criações da humanidade!!

      Excluir
  5. Aaah, I see Ralph's true power now, the ability to melt hearts. Poor lad! Very well done on capturing just how cruel people can be and even how society in genreal is a jerk to geckos. Loved that last part too, and sorry I'm so damned late getting to this. Life's been hectic, but I promise I'm gonna get back to reading this man!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hey, pal! Always good to see you. I try to show Sellure as a world that is not so different than ours, obviously they have giant lizards, swords and magic, but the way people act toward each other is much the same, that's why Ralph has a light that draws attention :)

      I missed you on deviant too, life is really in a rush, uh? Don't forget to take some time to make things you like too, it's always good to keep your mind healthy :)

      Excluir

Concurso Miss Sellure! Vote na sua personagem favorita para que ela concorra a uma arte exclusiva:

Auria
Hayley
Profª Clover
Tootie
Elma
Sheena
Courtney
Lignum

Votar
resultado parcial...

Menu Principal






Menu Secundário






Estatísticas




POSTAGENS
COMENTÁRIOS

PARCEIROS [BUTTON]

Tecnologia do Blogger.

Comentários Recentes

+ Lidas da Temporada