sexta-feira, 31 de agosto de 2018

quarta-feira, 29 de agosto de 2018

segunda-feira, 27 de agosto de 2018

sábado, 25 de agosto de 2018

quinta-feira, 23 de agosto de 2018

CaramellDansen!

De volta ao ano de 2008, quando a internet era um pouco mais inocente e com menos youtubers produzindo conteúdo todos os dias, havia uma porção de vídeos aleatórios espalhados por aí que era nossa única forma de entretenimento.

Caramelldansen é uma musiquinha cativante sueca que se tornou viral na época, todos personagens de animes e jogos ganharam uma versão dessa dança em longos vídeos repletos de alegria. Sabe, eu sinto muita falta desse tipo de conteúdo, nesse mundo virtual as coisas tendem a correr tão depressa que algo lançado há menos de um mês já se tornou passado. Em 2008 eu tinha 14 anos e ainda estava descobrindo as maravilhas da World Wide Web  hoje em dia meu irmão de seis anos já acessa o youtube sozinho para ouvir funk, assistir vídeos de unboxing que o incitam a consumir mais brinquedos dentre outros canais de modinhas. Talvez eu só esteja sendo um desses velhos chatos, mas, sei lá... eu gostaria que algumas coisas velhas voltassem. Ainda gosto de Caramelldansen - rs.

Sempre tive vontade de fazer animações com meus personagens, mas tenho meus limites com tecnologia. Quem é dos tempos do Aventuras em Sinnoh sabe que eu costumava fazer aberturas e ainda contava com ajuda da Nyx e da Leeca para trazer vídeos realmente de tirar o fôlego, mas vamos com calma aqui em Sellure, omáximo que pude trazer por ora foram alguns gifs em loop - rs. A ideia era ter feito com muitos outros personagens, inclusive, tínhamos um vídeo cheio de efeitos bonitinhos, mas rolou um defeito que a animação ficou toda travada, então optamos pelo básico...

Até que ficou uma graça, né? Valeu a pena só para ver a Auria sensualizando! ♥ Espero que você também tenha um dia mais feliz!



domingo, 19 de agosto de 2018

Matéria ao estilo Fire Emblem Heroes!

Opa, algum fã de Fire Emblem por aí? Em Fevereiro de 2017 a Nintendo/Intelligent Systems lançou esse jogo estilo gashapon para celulares, e eu não parei de jogar desde então! Então por que não juntar duas coisas que adoro em um desses crossovers inusitados?

Os que estão familiarizados com o jogo poderão se divertir analisando os equipamentos e skills de cada personagem para saber se valeria a pena ou não tê-los em suas equipes (orbs não caem do céu, mas eu faria de tudo por uma Auria 5-estrelas!). Aos que não conhecem nada de FEH, vale a diversão em dar uma olhada nas artes e quem sabe até receber um bônus no final.

Ou melhor, por que você não baixa no seu celular para jogar também? - rs.
Para conferir maiores detalhes, clique nas imagens para ampliá-las!

OS HERÓIS
    
    

SOBRE OS DUBLADORES
  • Kyle McCarley, a voz escolhida para Ralph, é o dublador de Alm e Soren. Fire Emblem Echoes foi o primeiro jogo inteiramente dublado da série, quem teve a chance de jogar pode dizer que o Alm tem uma ótima voz para protagonista!;
  • Brina Palencia, a voz escolhida para Auria, é a dubladora de Ayra e Lute. Se você não teve o prazer de conseguir uma Ayra e ouvi-la falar em FEH, sua vida está incompleta. Ela é uma mistura de guerreira badass com classe;
  • Joe Brogie, a voz escolhida para Lesten, é o dublador de Linus. A voz dele é perfeita, como quem está sempre debochando da sua cara;
  • Brianna Knickerbocker, a voz escolhida para Hayley, é a dubladora de Sakura, Charlotte, Est e Ninian. Essa garota tem uma voz tão fofa que dá vontade de abraçá-la e protegê-la;
  • Ray Chase, a voz escolhida para Peter Lee, é o dublador de Alfonse, Roy e Gaius. Ray Chase é conhecido por dar voz a muitos personagens famosos como Noctis em Final Fantasy XV, mas o escolhi para o papel de Lee por conta de Gaius;
  • Misty Lee, a voz escolhida para Profª Clover, é a dubladora de Camilla, Titania e Ursula. Sem sombra de dúvidas, minha escolha preferida para moças mais velhas. Posso até ouvi-la dizendo: Good boy! haha.

A ORDEM DO SELAMENTO
    
    

SOBRE OS DUBLADORES
  • Todd Habekorn, a voz escolhida para Bill, é o dublador de Joshua, Siegbert e Morgan [M]. Esse eu escolhi por causa do Joshua e seu jeitão dissuadido, de quem gosta de apostas e sempre sair ganhando, combina muito com o Bill;
  • Cassandra Lee Morris, a voz escolhida para Tootie, é a dubladora de Julia e Clarisse. Eu gosto da maneira como a Julia fala e parece estar quase dormindo, bem lenta como a Tootie deve ser;
  • Tara Sands, a voz escolhida para Elma, é a dubladora de Sonya e Olwen. Quando consegui minha primeira Sonya eu me apaixonei pela voz dela, e a Elma merece uma dubladora a altura!
  • Richard Epcar, a voz escolhida para Bernard, é o dublador de Oliver, Hardin e Walhart. Só mesmo quem ouviu a voz do Grande Oliver sabe como ele é capaz de fazer personagens *fabulosos*;
  • Xander Mobus, a voz escolhida para Aedan, é o dublador de Innes, Kaze e Arvis. Como não querer o narrador do próprio Super Smash Bros. em seu elenco?;
  • Hunter MacKenzie Austin, a voz escolhida para Elice, é a dubladora de Nowi, Rebecca e Clarine. Só uma frase para vocês verem como combina: Dragonbreath, raawrgh! 
E para fechar... uma aparição surpresa! Quem é esse personagem? Por que ele tem skills tão poderosos? (Nunca se dá as costas para um cara com Distant Counter, Quick Riposte, 38 de Speed e Black Luna ativado). Por que ele tem esse jeitão de mal? Por que ele usa um tapa olho? Por que ele é dublado pelo mesmo cara que faz a voz do Owain (Odin), Lloyd e Narcian e consegue ser incrivelmente épico? Bom, isso vocês só vão descobrir no livro!


quinta-feira, 9 de agosto de 2018

Century [Mapa]

Century é uma das regiões mais antigas de Sellure. Dizem que foi nela onde o Criador se estabilizou em sua primeira chegada ao continente. A província recebeu esse nome porque no passado acreditavam que ela estava localizada no centro do reino, somente com a chegada dos primeiros cartógrafos que foi descoberto que Constantia estava mais estrategicamente posicionada.

Century faz fronteira com outras duas províncias, Myriad no norte e Helvetica ao sul, uma cadeia de montanhas em seus arredores define bem o território. O clima é tropical e temperado, com constantes tempestades e sol forte o ano inteiro. É palco de fortes abandonados e áreas desoladas por conta das guerras do passado, o que tornou seu território uma área farta de conhecimento e tesouros perdidos.

Cerca de 75% do primeiro livro se passa nessa região, o que torna Century o principal palco da aventura e um ponto de retorno frequente, visto que os personagens se alocam na Pequena Colina.

  • Bausonne, a Torre Laranja;
  • Base Granada;
  • Pequena Terra;
  • Rio do Horizonte;
  • Esconderijo do Gatuno;
  • Deserto Elmud;
  • Ruínas Douradas;
  • Pântano Enferrujado;
  • Navio Fantasma;
  • Ilha-S;
  • Pequena Colina.
BAUSONNE, A TORRE LARANJA
Bausonne é capital de Century e uma das oito Cidades Coloridas. O nome Bausonne tem origem de uma língua antiga onde significa Construção do Sol, no período da tarde o astro brilha tão intensamente que suas terras parecem tomar uma coloração dourada. É um dos maiores pontos de referência para encontro de intelectuais e estudiosos de magia. Há uma enorme quantidade de bibliotecas e acervos, a praça principal é o centro de venda e troca de itens mais popular de Sellure com todas suas ruas sendo interligadas por estradas de tijolos amarelos.

A Torre Laranja, que também é o símbolo da cidade, possui cerca de trezentos metros e pode ser vista a milhas de distância. Poucos sabem o que há escondido no andar mais alto, um segredo que é mantido somente pelo próprio Rei e seus conselheiros. A posição estratégica de Bausonne se deu por conta do litoral, onde o Rio do Horizote desagua, permitindo que ela prosperasse no comércio marítimo e turismo.

"Bausonne era uma cidade de estruturas rígidas e casarões antigos, mas uma estrutura magistral erguia-se no centro com quase trezentos metros de altura, a Torre Laranja. Fora construída nos tempos da Guerra dos Heróis e por incontáveis anos repeliu as tropas inimigas. Apenas após a chegada dos dragões alados que suas defesas foram superadas." — Capítulo 11. 

BASE GRANADA
A Base Granada é uma das oito academias espalhadas pelo reino para fornecer a devida formação aos jovens que completam quinze anos. Alguns iniciam o ensino fundamental na própria academia, seu propósito é preparar desde cedo a aprendiz para uma área de especialização em batalha e encaminhá-lo para uma das capitais.

Granada se destaca por seu ensino na área do conhecimento da mana, sendo assim, voltada exclusivamente para a formação de tótines ou aprendizes de feitiçaria. É a academia onde a Profª Clover se formou.

"[...] cada um deles representava uma especialização: a espada trazia seu significado de honra e glória; o escudo, a proteção; a lança era a agilidade; o machado pela força bruta; o arco e flecha pela destreza e a mana como todas as energias que permeavam o mundo." — Capítulo 3.

PEQUENA TERRA
A Pequena Terra é uma cidadezinha construída aos pés de uma imensa árvore. Ela é conhecida por suas fontes termais e casas de banho, viajantes do reino inteiro a visitam somente para descansar em suas terras.

Acredita-se que a árvore foi um símbolo de paz plantado pelo Rei após o fim da Guerra dos Heróis, nenhuma batalha jamais alcançou suas fronteiras. Ela cresceu durante um século e, ainda hoje, transmite segurança para os habitantes da região que a cultivam para que continue crescendo.

RIO DO HORIZONTE
O Rio do Horizonte nasce no Lago Fantasma em Constantia em uma altitude elevada até desaguar nos mares de Century. Se um viajante segui-lo em linha reta, poderá chegar até Bausonne sem dificuldades. Ao amanhecer, a sombra da Torre Laranja fica perfeitamente alinhada ao leito do rio no oeste.

ESCONDERIJO DO GATUNO
O Esconderijo do Gatuno é um ponto referencial para o livro. Trata-se de uma passagem subterrânea abandonada, construída ao pé da montanha por Ronem Romenar nos primeiros anos com o intuito de interligar as províncias de Constantia e Century. Servia para travessias estratégicas e rota de fuga caso a Fortaleza Azul fosse tomada, mas com o passar dos anos isso se provou praticamente impossível e o forte terminou abandonado. Desde então, Bill, o Gatuno, passou a usá-lo como esconderijo.

"Há um forte abandonado não muito longe daqui, ele serviu como base de monitoramento militar nos anos da guerra iniciada pelos Três Soberanos. Vocês poderão alcançar a fortificação se continuarem seguindo rumo ao oeste [...] " — Mercador Misterioso, Capítulo 12.

DESERTO ELMUD
O Deserto Elmud é uma região desolada onde foi travada a Guerra dos Heróis. Seu grau de destruição foi tão grande que o local tornou-se inabitável por muitos anos, mas aos poucos criaturas o tomaram como morada e Elmud virou referência até mesmo para turistas. As dunas formam um verdadeiro espetáculo que lhe deu o apelido de Mar de Areia. As montanhas ao seu redor impedem o avanço da desertificação, tornando algumas partes ainda mais remotas.

Na entrada do deserto há pequenos vilarejos que se aproveitam do turismo e fazem excursões aos oásis e ruínas abandonadas. Há incontáveis fósseis escondidos na terra, tornando comum o encontro com grupos de cientistas e viajantes a procura de novas descobertas.

"O Deserto Elmud era resultado da destruição, embora tais terras tenham permanecido desoladas, seres de todos os lugares a tomaram como moradia. As criaturas desenvolveram habilidades únicas para viverem ali, o ecossistema era intenso e só abria uma brecha para quem estivesse disposto a viver no limite, parte de um impressionante ciclo de adaptação." — Capítulo 15.

RUÍNAS DOURADAS
As Ruínas Douradas são um ponto referencial para o livro. É onde viveu uma famosa arqueóloga e mestra de Tootie, a Srta. Cleópatra. Durante anos as ruínas serviram como um museu móvel, Cléo era uma tótines controladora de terra e criou sua morada nas costas de um inseto gigante que se locomove de baixo da terra. Quando começou o tempo de caça aos tótines, Cléo fechou seu museu e o escondeu.

No arco do deserto do primeiro livro, Ralph e seus companheiros precisavam encontrar as ruínas e recorrem ao artifício de fazer chover na região. Isso se deve ao fato de que o inseto de areia criado por Cléo ainda vive adormecido embaixo das ruínas. Como a água o incomoda, qualquer contato o faz mover-se e abrir a entrada da ruína. O oásis nas proximidades esconde uma passagem secreta por onde escorre a água, despertando assim a criatura.

Tootie viveu escondida os últimos oito anos nas Ruínas Douradas, tendo como companhia somente suas criaturas mágicas.

"Eu me lembro de uma citação antiga de uma amiga que dizia: “Muitas maravilhas acontecem no deserto e, dentre todas, a chuva é o evento que o povo mais adora”. Agora cuidem-se, aventureiros!" — Bill, Capítulo 15.

PÂNTANO ENFERRUJADO
O Pântano Enferrujado é uma zona remota onde era feito o descarte de armaduras e todo equipamento usado em guerra. Quando o metal não podia ser derretido, fundido, apodrecido ou amaldiçoado, eles eram despejados nesse pântano que aos poucos se tornou uma área perigosa, habitada por criaturas selvagens de todos os tipos.

Elma, a ferreira, vive isolada nessa região utilizando-se da sucata para criar obras primas.

"Na época em que servi na Fortaleza Azul, meus parceiros diziam que esse pântano era um ótimo lugar para reunir material. [...] Mas a busca devia ser feita apenas por um grupo treinado, é uma zona hostil." — Lesten, Capítulo 18.

NAVIO FANTASMA
O Navio Fantasma é um ponto referencial para o livro. Uma embarcação sinistra que assombra os mares de Century, dizem que é coberto por uma névoa seguido por uma  tempestade que o acompanha, afundando barcos menores no caminho e causando pânico em marinheiros despreparados.

É onde vive o Capitão Bernard, um gigante que nasceu no Porto das Lulas e viajou toda Sellure. A explicação para os fenômenos causados pelo navio é que, devido o seu descontrole emocional de seu capitão, Bernard o cerca com nuvens atmosféricas que geram a tempestade. A névoa é consequência de seus poderes aquáticos em conflito com a influência de espíritos obsessores. A lenda do Navio Fantasma é de fama recente, pois surgiu nos tempos em que os tótines foram caçados, mas no fim do primeiro livro seus mistérios são solucionados.

"Não havia bandeira nem cordas, era como se o navio estivesse à deriva sem ninguém para tomar-lhe direção. A madeira apodrecida rangia em seus pés, eles imaginavam se não estariam perdidos em uma espécie de purgatório apenas aguardando seu julgamento." — Capítulo 23.

ILHA-S
A Ilha-S é uma das regiões mais belas de toda Sellure, sua marca é o conflito entre o calor intenso do norte e o frio perpétuo no sul. Cada metade corresponde ao território de uma cidade, Magnar e Blizar.

Aedan, um dos Oito Representantes, substituiu seu pai Hugh como chefe da ilha e a transformou em uma Cidade Cinzenta, ao preço dela ser ignorada nas decisões do reino. O resultado foi que a tecnologia instalou-se no local e quase não se reconhece mais a beleza dos tempos antigos. A Ilha-S é tão excêntrica e única em toda Sellure que muitos famosos compraram terrenos para construir suas casas de campo, tornando-a um verdadeiro resort, apesar dos nativos jamais terem aceitado a entrada de tantos estrangeiros em suas terras.

A outras três pequenas ilhotas que a cercam são: Ilha dos BesourosIlha Bacalhau e a Ilha Estrela. Todas elas funcionam como reservas para criaturas ou animais raros.

"Já ouviram falar sobre a lenda da amaldiçoada Ilha-S? [...] Dizem que existe uma magia poderosa que impede visitantes de partirem. Eles acabam presos aqui para sempre." — Capitão Bernard, Capítulo 24.

PEQUENA COLINA
Pequena Colina, um pedacinho do céu, como seus habitantes a apelidaram. Há uma vila onde algumas famílias levam uma vida comum, mas nada extraordinário. É uma região pouco conhecida, nela viveu uma mulher e seus três filhos.

No topo da colina há uma casinha cercada por um campo de girassóis. Essa casinha é onde tudo começou. Dizem que nenhuma maldade é capaz de aproximar-se desse lugar misterioso que é protegido por um véu mágico, alguns cartógrafos inclusive alegam que ela não existe.

"Muitas vezes deixamos de valorizar o que está ao nosso redor quando isso se torna parte da rotina." — Raegar, Capítulo 39.

quarta-feira, 8 de agosto de 2018

Bill


"Sério mesmo que não deu para notar? Eu sou um tótines, a melhor das quatro grandes raças do Reino de Sellure, a mais poderosa e temida. Meu nome é Bill, agracio-lhes com os títulos que venho coletando: Gatuno, Construtor, Especialista em Confecções e Pequenos Furtos." — Bill, Capítulo 13.

Bill é um dos integrantes da Ordem do Selamento, um charlatão que se gaba por realizar pequenos furtos e tirar doce de crianças, mas esconde um lado carente e repleto de angústia.

É o filho mais novo de cinco irmãos da famosa Família Altenburg. Seus pais possuíam uma fortuna imensurável, mas quando os tótines foram caçados há cerca de oito anos eles acabaram por ter de se esconder. Tanto seu pai quanto os quatro irmãos mais velhos acabaram sendo vítimas, obrigando Bill a crescer sozinho com sua mãe. Desde então, ele abandonou o nome Von Altenburg e passou a se apresentar apenas como Bill. Sua companheira e longa data é Tootie, que cresceu ao seu lado, pois ambos foram inseridos na Ordem para substituir o legado deixado por seus pais.

Galanteador e persuasivo, Bill adora estar no centro das atenções e conquistar o coração das garotas. Por vezes age como um rapaz esnobe e ganancioso, mas quando confronta oponentes superiores ele acaba por recuar. Diante daqueles que julga ser mais fracos, tenta agir de modo frio e calculista para intimidá-los, mas no fundo continua sendo o garotinho da mamãe.


Bill é o primeiro membro da Ordem do Selamento a ser apresentado no livro. Depois de Aedan e Elice, ele é o personagem com o maior número de aparições, sendo que muitas outras foram excluídas da versão final e só estão disponíveis no blog como Cenas Deletadas.

O Arco Mysteria envolvia a chegada de uma nova antagonista e o relacionamento entre Bill e Tootie, um evento que se passa antes de Ralph e seus companheiros embarcarem para a Ilha-S.

Bill também tem uma importante participação no Passado da Ordem, ainda com dez anos. Os capítulos envolvem seus familiares, o momento em que conhece Tootie e como chegou a ocupar o cargo.

  • Pernas Velozes [Support] – Garante um bônus em agilidade para si e os companheiros;
  • Adagas Letais [Ofensivo] – Golpe ágil com duas adagas que causa enorme dano a oponentes desprovidos de armadura (quanto menor a defesa, maior o dano); 
  • Envenenamento [Ofensivo] – O inimigo é afligido por um veneno não-letal;
  • Bomba de Fumaça [Defensivo] – O ataque clássico de Bill, bombas de fumaça dos mais variados tipos;
  • Pó de Sonolência [Defensivo] – O oponente é pego por um ataque que o faz dormir em poucos minutos;
  • Corpo Gasoso [Defensivo] – Quando sob efeito de fumaça mágica, todos atributos do usuário aumentam e ele é capaz de mesclar-se ao ambiente;
  • Guardião da Noite [Habilidade Passiva] – Durante a noite, o desempenho do usuário melhora consideravelmente;
  • Confeccionador de Armadilhas [Habilidade Passiva] – O usuário pode criar pequenas armadilhas para atacar inimigos desprevenidos;
  • Domínio Sobre Elemento [Tríade Mágica dos Tótines] – Um dos três poderes primários dos Tótines. Seu elemento é o vento;
  • Manipulação [Tríade Mágica dos Tótines] – Bill torna-se mais ágil e poderoso quando cercado por fumaça. Sua ligação com vento tem um efeito curioso, ele usa poluição e toxinas para se fortalecer;
  • Transformação [Tríade Mágica dos Tótines] – A forma mágica de Bill é um guaxinim.


"Os espertos estão sempre um passo à frente, amigo. "
— Bill, Capítulo 13.

"O que posso fazer? Gosto de roubar corações."
— Bill, Capítulo 14.


"Não é errado querer ser livre, princesa."

conversa entre Bill e Tootie, Capítulo 17.5 [Cena Deletada]

"Por este e outros motivos, Bill mantinha escondidos os detalhes de sua vida pessoal [...] Seu passado como Altenburg era uma parte da qual ele ansiava por esquecer e poucas pessoas compartilhavam do trauma. Pegou-se pensando em como Tootie era a única que ele permitia acariciar sua pelagem quando se transformava em guaxinim, amava espreguiçar-se em seu colo enquanto ela fazia carinho em sua cabeça até adormecer. De repente, sentiu muita saudade dela."
 Support Conversation: O Grande Encontro.

"Às vezes eu queria não ser um tótines [...] Todo mundo só se interessa em nossa mana, no que dominamos e podemos nos transformar. Ninguém pergunta no que eu sou bom ou o que gosto de fazer."
— Bill aos 10 anos, O Passado da Ordem: A Silenciadora.

"Se quer saber, eu acho guaxinins mil vezes mais legais do que dragões."
— Tootie, O Passado da Ordem: Travessuras na Escuridão.

  • Nos quadrinhos da infância do autor, seu nome era Apook 3. Bill era o terceiro de cinco irmãos, eles se chamavam Aaron, Baron, Daron e Elton, mas não desempenhavam tanta importância para o enredo;
  • Sua cor principal sempre foi verde. A faixa colorida de seus irmãos eram, respectivamente: vermelho, amarelo, azul e preto;
  • O nome Bill foi dado por sua relação com explosivos, originando-se dos Bill Blaster, a bala de canhão inimiga nos jogos de Super Mario Bros;
  • Quando foi criado, Bill e seus irmãos eram baseados nos Koopa Bros. do jogo Paper Mario (nota-se que Apook é Koopa de trás para frente). Eles combatiam Ralph utilizando bombas e construindo um robô gigante, mas são impedidos e jogados em sua própria prisão;
  • Através de anotações antigas, descobriu-se que seu sobrenome era Bounde. Na versão atual, sua família se chama Von Altenburg;
  • Desde as histórias antigas, Bill e Tootie sempre foram os membros da Ordem que mais tinham proximidade;
  • No especial do Passado da Ordem é revelado o nome dos demais membros de sua família: Gregor e Amélia (pai e mãe), Zack, Velouria, Yan e Xavier (irmãos mais velhos).

segunda-feira, 6 de agosto de 2018

Makai Mail [Resenha HQ]

"Makai, um lugar hostil dividido por reinos fechados após uma grande guerra, para prover a comunicação entre estes, uma empresa de correio chamada Makai Mail foi instituída. Seus entregadores são capazes de realizar qualquer encomenda, enfrentando os maiores desafios e perigos existentes no mundo de makai.

Mas desta vez a encomenda é diferente, uma súcubo será ofertada como moeda de troca para firmar uma aliança entre dois reinos, porém esta entrega irá relembrar Devi (um dos melhores entregadores de toda a Makai Mail) de certos assuntos em seu passado que ainda estão pendendentes."

Autor(a): Jayson Santos
Idioma: História em Quadrinho Nacional - Português (PT-BR)
Lançamento: 1º edição, Julho de 2018
Altura e largura: 14 x 21 cm
Número de páginas: 176
Publicação Independente

Como foi que conheci a obra?

Esse não é o primeiro trabalho do Jayson Santos a dar as caras aqui no blog. Ano passado eu fiz uma resenha de Hooligan, sua primeira publicação física, então minha expectativa estava alta.

Eu conheci o Jayson em um evento de animes em São José dos Campos e desde então venho acompanhando seu trabalho. Makai Mail foi inicialmente lançado pelo Catarse, um site de financiamento coletivo. Ele atingiu 95% da meta, mas como a campanha era flexível — o realizador recebe todos os recursos mesmo que a meta não seja atingida — Makai encontrou seu lugar na luz do sol (eu diria nas sombras, porque essa terra se localiza no submundo é dominada por monstros e criaturas bizarras, mas encanta como a boa obra de fantasia que é).

Só para introduzi-los ao projeto, deem uma olhada nesse vídeo incrível usado na divulgação da campanha. Tem como não ficar animado?



Capa, Design e Editoração

O projeto gráfico de um livro, HQ ou mangá diz muito sobre a qualidade da obra como um todo. Alguns devem se lembrar que em meados dos anos 2000 a média de preços de um mangás era 7 reais, mas eles tinham menos páginas e com um acabamento muito inferior (sem contar crise, aumento do dólar e afins, claro). Escolher uma boa gráfica para realizar a impressão e aumentar o número de páginas é primordial, pode até encarecer o produto, mas os consumidores de hoje em dia estão prezando bem mais a qualidade, até porque grande parte dessas histórias estão disponíveis online para qualquer um ler. Ter a obra física em mãos é sempre uma sensação única, dá até gosto de contribuir.

Eu já gostava muito do trabalho feito em Hooligan, mas Makai Mail elevou o nível e foi além. Quando fui buscar meu exemplar no Anime Friends, fiz um comentário com Jayson que até me senti mal depois. Eu falei: "Cara, agora ficou muito profissional!". Se analisarmos o sentido da frase, eu não quis dizer que Hooligan ou seus outros trabalhos fossem menos profissionais, mas é que Makai Mail recebeu um cuidado impressionante que se compara ao de editoras grandes.

Quem pensa que terminadas as ilustrações o trabalho acabou, está muito enganado. É como pensar que o difícil de publicar é um livro seja apenas escrever (ah, doce inocência...) É aí que o trabalho de um artista começa: vender. De que adianta ter um projeto impecável que não chega ao seu público? É muito importante um artista independente separar uma grana para se divulgar em eventos como o Anime Friends, foi uma excelente ideia realizar o evento de lançamento por lá. A mesa do Jayson estava incrível, com direito aos três primeiros volumes de Hooligan, outro original chamado Player e algumas decorações (eu devia ter tirado uma foto para mostrar!)

Quando peguei Makai Mail em mãos, a qualidade gráfica do projeto Mail me deixou de queixo caído. Os apoiadores receberam um marca página com os dois lados impressos em papel brilhante, um panfleto de agradecimento pelo financiamento no catarse, um pequeno cartão postal e um belíssimo pôster em A4. Esses brindes sempre conseguem fisgar o olhar dos curiosos!


Sobre a Obra e o Autor

Eu sempre me impressionei pelo trabalho do Jayson Santos por conta de sua dedicação e foco. Makai Mail não é uma história curta, são 148 páginas ilustradas de história e 28 de extras, se não houver esforço por parte do autor é muito fácil abandonar um projeto ainda nas primeiras páginas ou levar incontáveis anos até sua conclusão. No Catarse, você estabelece a meta de quanto tempo irá levar para concluí-lo, e o Jayson cumpriu com todas as expectativas. O lançamento oficial ocorreu no Anime Friends em Julho de 2018.

Só quem já foi artista independente sabe como é difícil. Não se trata apenas de desenhar ou escrever, é preciso revisar, diagramar, preparar o texto, fazer todos os ajustes, procurar uma gráfica decente e fazer testes para que nada saia errado na versão definitiva. Eu não canso de me impressionar com a qualidade e o cuidado do autor com cada cena, indo desde retículas e tones até os cenários caprichados, que ao meu ver é uma de suas maiores qualidades (posso contar nos dedos quantos artistas que conheço se preocupam em desenhar cenários, rs).

A história de Makai Mail se passa em um universo rico e palpável. Esse submundo onde os personagens vivem possui suas próprias excentricidades, eles são monstros, zumbis, nereidas e demônios, mas vivem seu dia-a-dia como nós. No fim do expediente, nada melhor do que uma ida ao bar com os colegas de trabalho depois de peitar o rei de uma nação rival, rs. O roteiro é tão cheio de carisma e personagens intrigantes com seus próprios poderes, todo protagonista do Jayson consegue se reinventar a cada história nova. No fim das contas, por mais perigosa que a aventura se torne, Devi é só um entregador de cartas, mas quem diria que é possível viver tantas aventuras?

Um dos pontos que mais me surpreendeu foi a consistência do enredo. Vemos uma fórmula crível que segue o caminho de Levi em sua entrega da súcubo Lilly. Cada ponta é fechada como deveria, e apesar de ter sido lançado como uma one-shot, também somos introduzidos a alguns mistérios maiores que poderiam facilmente estender Makai Mail a uma trama mais longa e complexa. Quem sabe no futuro, não é?

As páginas finais estão recheadas de extras, com direito ao mapa de Makai, diversas curiosidades do processo de criação e galeria de artistas convidados.

Sobre os Personagens

Makai Mail tem uma gama de personagens incríveis. Devi é um excelente protagonista, ele possui seus próprios segredos referentes ao passado e é forte o bastante para levar a trama adiante por si só. Devi conhece muito sobre Makai, e por isso foi muito importante ter a ajuda de personagens de apoio como Lilly e Anti para nos introduzir a esse universo.

Lilly, por sinal, é a súcubo que será ofertada como sacrifício. Ela sabe pouco sobre tudo, tendo sido mantida presa a vida toda, mas cumpre bem sua função e é adorável acompanhá-la enquanto ela descobre mais sobre o mundo em que vive.

Lumya e Ember são dois dos melhores entregadores da Makai Mail. Enquanto eu acompanhava o desenvolvimento do projeto, imaginei que não haveria tanto espaço para explorá-los, mas me surpreendi com as cenas em que eles apareceram e logo de cara a Lumya se tornou uma de minhas favoritas! Makai é mais do que uma empresa de entregas, eles formam um time, uma guilda como Fairy Tail, consigo visualizar cada um desses personagens como se este fosse apenas o episódio piloto de um anime prestes a sair.

Makai é tão cheia de suas próprias peculiaridades que você acaba se divertindo num cenário tão sinistro. Os monstros têm suas próprias crenças sobre humanos e bebem leite quase como se fosse uma bebida sagrada, é a cervejinha do fim de semana deles. Para mim, uma das maiores surpresas foi Anti, o estagiário. *risos* A página final de Makai fez meu dia valer a pena!

Considerações Finais

Cada novo lançamento do Jayson é uma agradável surpresa para mim. Não apenas pela qualidade do projeto, mas por sua jornada como artista independente. Makai Mail é a prova de que não ter a grana certa no momento não é desculpa para deixar de fazer algo, ele entrou com o financiamento coletivo do Catarse, fez uma campanha excelente e aprendeu com os erros de sua primeira tentativa (o volume 3 de Hooligan não deu certo, mas Makai Mail superou tanto as expectativas que foi possível produzir ambos), com um pouco de criatividade e determinação é possível atingir seus sonhos e criar projetos incríveis.

Makai Mail é uma daquelas HQs que sempre recomendarei aos amigos quando tiver a chance. "Tá vendo esse cara? Ele é FODA!" É difícil expressar o quanto fiquei feliz em apoiar esse projeto e vê-lo tomando forma. Existe muita gente habilidosa no Brasil, só esperando a chance. Você pode contribuir comprando e consumindo produtos nacionais, garanto que não vai se arrepender.

E não esqueça que você já pode comprar no link abaixo!





quarta-feira, 1 de agosto de 2018

O Grande Encontro [Support]

Support Conversation (Lesten e Bill)
Gênero: Comédia, Romance;
Tema: Um encontro para Lesten com uma moça mais velha
;
Sugestão do leitor: Sir Naponielli.



Organizar um encontro não foi nem de perto tão difícil quanto encontrar gente disposta a participar dele. Bill montou uma lista com todas as opções, mas tão pouco a concluiu e já começou a riscar nomes.
1) Ralph – Ingênuo demais, as garotas não devem se interessar em um garoto que está mais preocupado em explorar o mundo e fazer amigos do que entrar em um relacionamento;
2) Peter Lee – Foi minha primeira opção. As garotas adoram um barbudo com cara de mal, ele tem porte e histórico de lutador, sucesso na certa, mas qual foi minha surpresa ao receber um belo “não”. Parece-me que ele já está compromissado, ou talvez esteja só de rolo com alguém, se minhas suspeitas estiverem corretas (e sempre estão);
3) Bernard – Leva jeito para ser aquele tiozão da festa que faz piadas com pavê. Uma boa companhia, de fato, mas deve estar na casa dos sessenta, tem idade para ser avô das garotas;
4) Raegar – Ele namora;
5) Doppel – Para falar a verdade, nem sei se ele se interessa por mulheres;
6) Drake – Ele está morto.
— Então para resumir eu sou a tua última opção — disse Lesten de soslaio.
— A última opção é não levar ninguém. Com isso, tenho maiores chances de sair de lá bem acompanhado — respondeu Bill, chutando a rede onde Lesten estivera balançando a tarde inteira para lá e para cá. — Vamos lá, Sr. Lagarto, você tem cara de quem leva jeito para esse tipo de encontro. Todos o adoram!
— Tá me achando com cara de palhaço? — Bill recuou diante do jeito grosseiro dos geckos, mas Lesten deu-lhe um toque no ombro e sua feição se desmanchou em uma risada calorosa. — Tô tirando uma contigo, parceiro. É claro que topo! Não é todo dia que tenho a chance de participar experiências novas.
— É assim que eu gosto — respondeu Bill. — Marquei às oito da noite no Soleil, a cafeteria da vila. Não falte, hein?
— Beleza. Só me tira uma dúvida — Lesten continuou. — Tu disse que seria um encontro a três... Quem é o nosso terceiro integrante?
Bill devolveu-lhe uma risada maléfica.
— É o nosso Cabeça Quente favorito.
— O Aedan?! Maluco, não posso perder isso por nada!

i

No horário marcado, Bill logo se arrependeu de ter organizado todo aquele encontro. Nenhuma das três garotas havia chegado, Lesten era conhecido por seus atrasos de mais de uma hora e ele nem tinha certeza se Aedan compareceria de verdade.
Desolado e sozinho em sua mesa, Bill folheava o cardápio sem interesse aparente quando alguém se aproximou.
— E aí, Bill, esperando companhia?
Ralph estava com o avental do Soleil e uma bandeja com dois mistos quentes. Era a primeira vez que Bill o via trabalhando como garçom no café, o garoto mantinha a expressão sempre receptiva e sorridente.
— Olha só quem está fazendo hora extra para ganhar uns trocados. — Bill apoiou os braços no encosto do assento e esforçou-se ao máximo para esconder o fato de que acabara de levar um bolo de cinco pessoas que nem combinaram entre eles. — Ah, sabe como é a vida, sou muito requisitado pelas pessoas ao meu redor, preciso estar em vários lugares ao mesmo tempo.
— Não tem problema dizer que você gosta de tomar café sozinho, eu entendo. Às vezes é bom tirar um tempo para organizar os pensamentos, né? — disse Ralph.
Bill estava para contrariá-lo quando Aedan chegou ao Soleil, chamando atenção de quem quer que estivesse de passagem.
— Já fez o pedido? — perguntou Aedan com as mãos no bolso, sempre impaciente, como quem mal chegou e já espera a hora de ir embora. Ele fez um cumprimento rápido para Ralph que prontificou-se em anotar. — Me vê um conhaque, garoto.
— A-acho que não temos isso aqui, Aedan...
— Mas está escrito aqui no menu.
— O Doppel disse que bebidas alcoólicas fazem mal para as pessoas — respondeu Ralph. — E eu não quero que isso faça mal para você. Serve um... choconhaque?
— Garoto, com esse jeito prestativo você conquista qualquer uma! — comentou Bill. — Por que não te chamei no lugar dele, hein?
— Ah, então vocês estão naquele tal de “Grande Encontro”? — perguntou o menino.
— Quer trocar de lugar? Ainda dá tempo. Eu realmente não faço ideia do por que ainda estou aqui — respondeu Aedan.
Ralph pareceu meio sem jeito diante da situação.
— Bill, sem querer me intrometer na sua vida nem nada, mas... e a Tootie?
O gatuno ajeitou a franja num gesto esnobe.
— Hah! Tootie? Nem me fale... Eu não aguento mulheres naquela fase, se é que me entende. Algumas se tornam irritadiças, outras choram por qualquer bobeira e a Tootie é uma junção dessas. Ela veio com ideias de que não dou atenção o suficiente, que ela não consegue controlar seus poderes porque é incapaz, de repente vieram as crises de negatividade que começaram até a me afetar, então demos um tempo, sabe? Estou precisando conhecer gente nova, isso faria bem a todos nós.
— Acho que você deveria ter ficado do lado dela até que esses problemas passassem — respondeu Ralph.
Bill deu uma batida leve na mesa e esticou os dois braços.
— Tá vendo? É por isso que não o convidei. Esses encontros são para gente grande, Ralph, você não entende nada disso.
— Conhaque, por favor. — Aedan repetiu.
Ralph revirou os olhos e os deixou para levar o pedido.
Por algum milagre, Lesten chegou pouco depois. Devia estar tão entediado que não encontrou nenhum motivo para justificar um atraso maior.
As três garotas vieram nos próximos minutos, elas eram amigas e esperaram a companhia uma da outra para entrar, pois estavam nervosas e muito ansiosas. Uma delas era uma humana de rosto alongado e nariz arrebitado onde os óculos de aro quadro pendiam, seu nome era Wanda e estava na Pequena Colina a passeio; a segunda chamava-se Latasha, uma gecko de pele amarelada que falava mais do que a boca e morava na Ilha dos Geckos localizada no norte de Pequena Colina; a terceira era uma tótines chamada Désirée, ela tinha cabelos curtos com mexas loiras e seu sorriso era contagiante.
— Désirée? Uau, qual a origem? — perguntou Bill, tentando iniciar uma conversa.
— Significa “desejada” em uma língua antiga — ela respondeu meio acanhada. — Difícil é soletrar para as pessoas quando preciso.
— Tu trabalha aqui na ilha? — Lesten continuou.
— Sim, eu trabalho na agência de entregas de Pequena Colina. Meu poder é correr bem rápido, faço entregas no reino todo! As agências costumam contratar apenas geckos alados ou monstros que voam pela fácil mobilidade, então sou uma das poucas tótines no ramo. Sou uma carteira!
— Então tu tem muito dinheiro guardado, né? — O lagarto começou a rir. — Hah, hah. Sacou? Carteiro, carteira?
Conseguira arrancar uma risada discreta de Désirée, o que já era um sucesso.
— E você, Sr. Lagarto, trabalha por aqui também?
— Eu dou meus pulos — respondeu o lagarto. Era a forma dele de dizer que estava desempregado.
As outras duas estavam muito mais interessadas em Aedan que mantinha a feição séria e o olhar disperso. Camisa de marca, calça jeans, cabelo bem penteado e barba aparada, ele tinha pose de homem maduro na casa dos trinta, daqueles com vida feita e casa própria — era difícil conter os suspiros quando o viam passar.
O grupo fez o pedido de duas porções de batatas recheadas com bacon e cheddar, alguns hambúrgueres e cervejas com mel na caneca para acompanhar. Enquanto a comida não chegava, continuaram compartilhando de seus interesses, aspirações e experiências pessoais.
— Me fala sobre vocês — disse Wanda em tom sério, tomando um pouco de seu drink. — Vocês são daqui? Com o que trabalham? Quanto ganham? Ainda moram com os pais?
— Eu sou dono de uma das lojas mais famosas da região — falou Bill. — Desde cedo aprendi a transformar utensílios velhos em produtos de qualidade que podem ser de grande serventia aos necessitados.
— Em outras palavras, ele rouba coisas e revende pelo dobro do preço — disse Lesten que arrancou muitas gargalhadas das garotas. Bill ficou vermelho de raiva.
As horas passavam depressa, todos queriam conhecer um pouco mais sobre a vida um do outro, seus sonhos, medos e aventuras inesperadas no Reino de Sellure.
— E você, bonitão? O que faz da vida? — perguntou Wanda dirigindo-se à Aedan.
— Tu tá falando com o Lendário Guardião das Pérolas Sagradas e Líder da Ordem do Selamento, mano! — confrontou Lesten.
Fez-se um silêncio na mesa.
— ...e isso significa?
— Significa que ele... é um cara super bacana? — continuou o lagarto.
As garotas começaram a rir sem parar.
— Ai, William, seu amigo é tão engraçado! — disse a gecko fêmea.
— William? Quem é William? — perguntou Lesten.
— Eu sou o William, sua mula. William Von Altenburg. Bill é só um apelido para os íntimos.
— Você é um dos Altenburg? — Désirée perguntou, incrédula. Ela também era um tótines e sabia por tudo que sua raça havia passado há oito anos quando foram perseguidos. A Família Altenburg foi o centro dos holofotes.
— Olha, eu... prefiro não falar sobre isso. — Bill teve de ser sincero e logo emendou outro assunto. — E respondendo a pergunta do nosso amigo lagarto, não escolhemos nossos apelidos. Minha mãe me chamava de Bill, tem um valor sentimental.
— Na real, tu não tem cara de William. Eu gosto mais do apelido que eu te dei: Texugo da Discórdia, isso sim é irado.
As garotas voltaram a rir do outro lado.
— Por que um texugo? — perguntou Wanda.
— Tu não contou que consegue se transformar em um texugo, mano? — perguntou Lesten.
— É um guaxinim! Será que não dá pra perceber a diferença? Texugos são fedorentos e horripilantes, os guaxinims por sua vez são criaturas astutas, inteligentes e sagazes  — disse o gatuno. — Garotas... há muita coisa mais interessante, por que é que uma de vocês não diz...
— MOSTRA PRA GENTE? — As três imploraram quase que ao mesmo tempo.
Por este e outros motivos, Bill mantinha escondidos os detalhes de sua vida pessoal. Toda garota amava seus truques de transformação, mas haviam alguns detalhes que ele preferia não compartilhar com qualquer uma. Seu passado como Altenburg era uma parte da qual ele ansiava por esquecer e poucas pessoas compartilhavam do trauma. Pegou-se pensando em como Tootie era a única que ele permitia acariciar sua pelagem quando se transformava em guaxinim, amava espreguiçar-se em seu colo enquanto ela fazia carinho em sua cabeça até adormecer.
Sentiu uma tremenda saudade dela. Até carregava um pingente em formato de trilobita na carteira, Tootie fizera para ele havia alguns meses para trazer boa sorte. Ela adorava fazer artesanatos e só presenteava as pessoas que lhe eram queridas.
Quando se deu conta, estava com a mão na carteira, acariciando o pingente. Foi então que percebeu que algo mais faltava... esquecera completamente o selo mágico que funcionava como um cartão de crédito para acessar seu dinheiro, logo, não tinha como pagar a conta.
Chartlatão do jeito que era, Bill levantou-se discreto e falou:
— Com licença, senhoritas, preciso me retirar por um minuto.
— Por quê? Tá com dor de barriga? — perguntou Lesten e elas riram de novo.
Ótimo, pensou Bill, pelo menos o lagarto vai mantê-las entretidas.
Assim que Bill se retirou do Soleil, a mesa mergulhou num silêncio momentâneo onde cada um refletiu pelo real motivo de estarem ali. Lesten sentia-se muito sozinho nos dias de semana agora que Auria voltara a prestar o curso na academia da Vila das Pérolas, ela estava tão atrasada que precisou tirar o mês das férias para adiantar as matérias que faltavam; Aedan sempre ouvia Elice dizer que ele precisava arrumar uma namorada logo, dessa forma ela teria alguém com quem brincar; as três garotas só queriam conhecer algum cara interessante, também sofriam pressão de seus familiares e amigos que impunham a ideia de que seria bom que arranjassem um bom partido o quanto antes, ou acabariam sozinhas.
— O quão ridícula é essa ideia de que precisamos nos comprometer antes dos trinta, não? — disse Aedan em voz alta. — Casar, comprar uma casa, ter filhos...
— Eu estava pensando na mesma coisa! — disse Désirée. — Sabe, por que não podemos curtir a própria companhia? Não precisamos de ninguém para nos fazer felizes, e cada um tem o seu tempo. Não me entendam mal, rapazes, vocês são uns amores...
— Acho que todos nós nos sentimos meio sozinhos de vez em quando — comentou Aedan. — Logo preciso voltar para casa. Tenho uma criança me esperando ansiosa para maratonar desenhos a madrugada toda.
— Você tem filhos? — perguntou Désirée.
— Minha irmãzinha. Mas devo concordar que por conta da diferença de idade é como se fosse uma filha.
— Oh, isso é tão fofo de sua parte, as garotas gostam de caras maduros com família — disse Latasha. — Não há nada melhor do que um homem que gosta de ficar em casa e curtir um pouco de carinho!
Aedan revelou um sorriso sincero e fez um aceno de despedida.
— Senhoritas, lembrem-se, não se sintam pressionadas a nada. Tenham uma boa noite.
Assim que o guardião de fogo se retirou, ele arrancou mais alguns suspiros. Se fosse com ele, qualquer uma certamente toparia levar um relacionamento duradouro adiante.
Lesten foi deixado a sós com as três garotas. Fazia tanto tempo que ele não saía em um encontro que já se esquecera o que fazer, para ele era fácil ser brincalhão e fazer piadas entre amigos, bastava ser ele mesmo — mas agora que era o foco da atenção, as três pareciam esperar alguma forma de serem entretidas.
— Tô achando que aquele hamburgão não me caiu bem... eu vou... dar uma saída... rapidão.
Lesten disparou para longe da mesa e no caminho deu um puxão no avental de Ralph que estava ocupado atendendo um casal. Quando os dois se encontraram na cozinha, o lagarto suava frio só de falar.
— Mano do céu, me leva pra casa.
— Por quê? — perguntou Ralph.
— Sei lá, é muita pressão! Que ideia de girico essa do Bill de arrumar um encontro, eu nem tô procurando fêmeas! É tão diferente quando estou contigo ou com a Auria, vocês me dão espaço e me aceitam como sou, mas em frente a desconhecidos eu me sinto só um idiota desempregado que mora de favor na casa do amigo tentando provar que tem uma vida decente! Já não tenho mais nada legal pra contar sobre minha vida!
— Ora, Lesten — disse o garoto. — Se for para você encontrar um parceiro bacana, essa pessoa deve enxergar tudo isso dentro de você e amá-lo mesmo assim. É disso que o amor é feito, reciprocidade.
— Eu nem sei o que reciprocidade significa, mas deve ser maneiro — respondeu o gecko. — Tu tem só quinze anos, mas é cheio de sabedoria.
Os dois espiaram por cima do balcão e viram que as garotas já estavam bem impacientes.
— Vá e seja sincero com elas — falou Ralph. — Não tem problema sair de um encontro sem nada marcado, o importante é que vocês tenham curtido a noite, pelo menos um pouquinho, né?
Lesten concordou e foi até a mesa das garotas explicar-lhes a situação. As três não pareceram constrangidas, tinham gostado do papo e a comida no Soleil era muito boa.
O problema era que Bill não voltava e, tecnicamente, ele é quem deveria pagar a conta. Quando as três perceberam que ele também não voltaria, decidiram rachar a contra entre elas.
— Foi mal, meninas... Não tenho grana nem pra pegar o trem, é foda ser desempregado — disse o gecko. — Acho que estraguei o encontro de vocês.
— Não, imagina — respondeu Désirée. — Você foi gentil em nos acompanhar até o fim, os outros dois nem isso tentaram.
Assim que as garotas deixaram o Soleil, Lesten decidiu acompanhá-las até a estação. Ele faria o caminho de volta para o topo da colina andando mais tarde, Wanda e Latasha haviam se despedido de sua amiga, mas Désirée morava na vila e por isso não precisou do Trem das Águas. Ela levava duas sacolas e uma mochila pesada nas costas.
— Posso te ajudar a carregar isso aí? — perguntou Lesten em uma tentativa de se redimir.
— Ah, não precisa, nem está tão pesado — ela agradeceu, mas Lesten acabou pegando do mesmo jeito.
— Não quero que pense que eu acho tu não tem força pra carregar, tá?
— Claro que não — ela riu. — Nem toda garota se incomoda com gentileza. É raro hoje em dia, mas atitudes como essa ainda têm o poder de cativar.
Lesten estava aprendendo a gostar da companhia de Désirée. Apesar de se desentender com humanos no início de sua jornada, vinha aprendendo como respeitá-los e compreendê-los. Ela era uma tótines de aparência comum como qualquer outra, mas tinha um sorriso contagiante e sempre falava de tudo com tanta empolgação, era maravilhoso passar alguns minutos com ela, mesmo que fossem poucos.
Désirée não quis contar que teria chego em sua casa em cinco minutos se tivesse usado seus poderes para correr, mas estava gostando muito da companhia do lagarto, tentou andar o mais devagar que pôde para estender ao máximo aquele sentimento gostoso. Lesten a deixou na frente de sua casa. Acabara fazendo o trajeto oposto da colina, mas se divertira um bocado.
Uma pequena luz se acendeu na varanda, por onde três crianças vestidas de pijama apareceram na janela e acenaram para ele. Foi a vez de Désirée ficar toda vermelha, movendo os braços de forma frenética num indício de que eles deviam sumir dali o quanto antes.
— Olha só, tu tem vários irmãozinhos — comentou Lesten.
— E-eles não são meus irmãos... — Désirée remexeu-se constrangida.  ...são meus filhos.
— Ah. — O lagarto balançou a cabeça.
— Sei que deve estar achando estranho uma mulher como eu ter três filhos e ir para um encontro com as amigas. Mas é que meu marido morreu na guerra e desde então sou mãe solteira. Wanda e Latasha vivem dizendo que achar um cara decente me ajudaria com as despesas em casa, mas não quero me aproveitar de um cara que pague a conta e me leve pra sair... o principal continua ser encontrar alguém com quem nos sintamos bem, não é? Ah, droga, devo estar parecendo uma esquisitona desesperada agora.
— Na real, quem sou eu para achar alguém esquisito? Eu sou uma lagartixa gigante — disse Lesten, só para ouvi-la dar risada de novo. — Eu acho que tu é uma guerreira por tomar conta deles e se preocupar tanto com sua família.
— É... O lanche é para eles — disse Désirée olhando para sua sacola.
— Se quiser uma companhia qualquer dia desses, conta comigo. Pelo menos eu sou engraçado.
— Ha, ha. Com certeza irei — despediu-se a mulher antes de entrar em sua casa. — Boa noite, Lesten. Durma bem.
Como não sabia ser discreto, teve que perguntar:
— Quantos anos tu tem?
— Isso vai ter que ficar para o próximo encontro. — Ela tocou na ponta do focinho de Lesten que ficou estático, afinal, seria aquele um convite para que se repetisse mais vezes?

ii

Quando Bill voltou para a Fortaleza Abandonada já passara das duas da manhã, ele ficara pelo menos uma hora perambulando nos arredores, sem coragem para entrar. Chegou exausto ao seu aposento, tirou a camisa, o cinto da calça e os sapatos, despencando de cara na cama como quem quer um abraço. Sentia-se sozinho e vulnerável, toda aquela ideia de encontro não combinava com ele.
Estava mergulhado no seu próprio silêncio quando ouviu alguém bater à porta. Não precisou responder, pois Tootie entrou na ponta dos pés vestindo sua camisola e pantufas de Dinorros.
— Oi. Onde esteve? — ela perguntou com seu jeitinho atencioso. — Senti sua falta.
Tootie podia ter escolhido ir embora, mas preferiu sentar-se ao seu lado na cama. Ela apoiou a cabeça de Bill em seu colo e acariciou seus cabelos, estava claro que seu companheiro tivera um dia difícil e ela queria contribuir de alguma forma. Eles eram amigos de longa data e, mesmo com alguns desentendimentos, conheciam demais um ao outro para que uma simples briga os separasse.
— Você é boa demais para mim — Bill murmurou bem baixinho.
E assim ficou até adormecer.

iii

Na manhã seguinte, era Bill quem balançava na rede entediado quando foi interrompido por um lagarto bípede cheio de entusiasmo.
— Aí, William, quando é que vai rolar o próximo encontro? — perguntou Lesten.
— Não vai rolar encontro. E não me chame de William.
— Poxa, que pena. Me diverti pra caramba ontem! No caminho de volta tive a chance de conhecer melhor a moça das cartas, e que mulher! Acho que estou apaixonado.
Bill encarou o lagarto com um semblante incrédulo.
— Sério isso? Pensei que estivesse furioso comigo por deixar vocês pagarem a conta.
— Ih, rapaz, no meu coração não tem espaço pra odiar ninguém por mais de duas horas. E eu já tô ligado que você é mão de vaca. Essa ideia dos humanos de organizar encontros com quem nunca conheceu é meio esquisita — disse coçando a cabeça —, mas estou gostando de experimentar coisas novas.
— Relacionamentos são uma merda. Quanto mais o tempo passa, mais você conhece os defeitos da pessoa — comentou Bill.
— Mas tu pode conhecer os defeitos de antemão, e mesmo assim continuar gostando, né?
— Faz sentido. Hm... Eu estava aqui pensando — falou Bill, que na mesma hora sentou-se e pareceu fervilhar de novas ideias —, e se na próxima chamássemos o Ralph, porque aquele garoto só pode ter mel. Nós deixamos o Aedan bem longe porque ele atrai toda atenção só para ele (esse é o problema de ter amigos bonitos demais, eles ofuscam a gente). Podemos arranjar um ponto diferente para o encontro, de repente um jantar à luz de velas perto do cais com direito a música ao vivo e rodízio de frutos do mar, o que me diz?
Lesten já era presença garantida na próxima tentativa do Grande Encontro, mas só se Désirée fosse também. Enquanto isso, Elma e Tootie observavam o falatório dos rapazes da varanda.
— Ele não toma jeito mesmo — comentou a ferreira.
— O Bill tenta usar essa máscara de patife canastrão para impressionar os outros, mas eu sei que por dentro ele é só uma criança carente que precisa de um pouco de afeto — respondeu Tootie com um sorriso. — Eu tomaria conta dele.
— Quer saber de uma coisa? Vocês dois se merecem — disse Elma com uma risada calorosa.

Menu Principal






Menu Secundário






Estatísticas




POSTAGENS
COMENTÁRIOS

PARCEIROS [BUTTON]

Tecnologia do Blogger.

Comentários Recentes

+ Lidas da Temporada