segunda-feira, 11 de maio de 2020

O Simbolismo em Matéria


A ORIGEM DO TÍTULO

"Somos feito da mesma matéria que nossos sonhos".

Com esta frase de William Shakespeare, o livro Matéria - Espada de Madeira tem início. De forma simples e abrangente podemos definir matéria como tudo aquilo que ocupa lugar no espaço e apresenta peso. Árvores, água, objetos, veículos, o ser humano... Qualquer coisa que tenha existência física ou real é matéria.

A história de Ralph nasceu em Outubro de 2005, e durante muito tempo ela foi chamada de "A Lenda da Espada", somente por volta de Maio de 2014 é que oficializei o título em uma postagem no meu blog Aventuras em Sinnoh — sendo que na época a previsão era que o lançamento ocorresse em 2015. Como fui inocente...

A escolha de Matéria deu-se por conta de uma brincadeira com universos fictícios. Um livro com toda certeza é feito de matéria, mas e os personagens? E tudo que foi criado dentro dele? Gosto de acreditar que tudo isso se torna real a partir do momento que estamos "dentro" dele, imersos na leitura. Por mais que nada do que lemos exista de fato, o leitor sempre terá a surpreendente capacidade de viajar para um universo muito distante do nosso, basta abrir na primeira página.

A busca de Ralph por um indivíduo conhecido apenas como Narrador é a prova de sua jornada atrás de algo pode nem mesmo existir, uma vez que ele persegue uma memória de infância que não é devidamente apresentada ao leitor até o fim do primeiro livro. Matéria é uma jornada atrás do impossível, mas também do concreto, afinal, é como sempre escrevo em minhas dedicatórias:

"Que você possa desfrutar da jornada tanto quanto o destino!" — Canas Ominous.

UMA JORNADA SOBRE A VIDA ADULTA

Quando eu era criança sempre adorei inventar histórias com guerreiros, monstros e elementos mágicos. Não é surpresa nenhuma que esses roteiros fossem pouco elaborados, pois eu devia ter dez anos na época, eu só queria "brincar" de inventar. Um dos meus maiores desafios com o livro foi manter exatamente a mesma a essência de quando eu era menino, e posso confirmar para vocês que grande parte do enredo original permaneceu, mas não a história. Isso faz algum sentido?

Existe uma diferença sutil entre enredo e história, como você pode ler a seguir:

História é como o personagem principal se sente em relação ao que acontece no enredo. Ela está relacionada à reação emocional do protagonista aos conflitos e obstáculos da narrativa. A história é mental, abstrata, subjetiva, baseada nas emoções do personagem.
Enredo é a sequência de acontecimentos externos de uma narrativa de ficção. Ele está relacionado à linha de ação e às ações e reações do protagonista a esses acontecimentos. O enredo é físico, concreto, objetivo, baseado nos comportamentos do personagem.

Qual a história de Matéria?
- A história é sobre as tentativas de Ralph de tornar-se mais forte e encontrar-se com seu amigo Narrador, ele sente que faz parte de algo maior que ainda não compreende. Ele anseia que essa busca o faça crescer, conhecer novos amigos e tornar-se alguém melhor.

E qual o enredo?
- O enredo é sobre Ralph tentar reunir as Pérolas Sagradas e, por consequência, o Narrador.

A Ordem do Selamento e as Pérolas Sagradas são alguns desses pontos primordiais que existem desde a época que eu rabiscava meus gibis. Os tótines — que antes eram sete membros  desempenham um papel fundamental na formação do caráter de Ralph e seus amigos, principalmente na forma como eles lidam com os desafios e encaram o resultado desastroso de sua busca. Isso os leva a crescer de uma forma inimaginável. Em uma análise mais profunda, é possível ver que cada um dos integrantes carrega uma mensagem do  que é "crescer".


- Bill é o primeiro antagonista da Ordem a dar as caras por representa o início, da busca por estabilidade financeira até a necessidade de sair de casa, buscar um emprego e começar a pagar suas próprias contas, um desafio que todo jovem se depara logo de cara quando entra na fase adulta;

- Tootie é a insegurança, a solidão de deixar a casa dos pais e de repente se ver sozinho no mundo. É o momento em que o jovem deixará a zona de conforto;

- Elma representa todo o trabalho em si, dar duro para crescer na vida. Ela é a mais dedicada e centrada em seu ofício de todos os integrantes;

- Bernard  é a lembrança dos amigos, dos familiares, a saudade e abandono. Coisas que ficam para trás e às vezes nos assombram, afinal, é um caminho sem volta;

- Aedan, por fim, representa a rotina e monotonia. Ele possui cada um dos elementos listados acima, mas seu papel no livro é o de um adulto estagnado que vive sem grandes pretensões, afinal, ele possui um trabalho seguro, estabilidade financeira e um lar. O que mais lhe falta? Na mente de Aedan, não há mais nada novo para se descobrir. Com seus quase trinta anos, o jovem se julga dono de si e teme que o mundo tire algo dele, por isso Aedan se blindou contra tudo e todos. O roubo das pérolas representa um renascimento para ele.

A questão é: eu planejei tudo isso antes de escrever o livro?

É óbvio... que não. A Ordem do Selamento originou-se com os mesmos propósitos que meus gibis na infância, ser uma pedra no sapato de Ralph. Nunca teria passado pela minha cabeça que eles tivessem tamanha profundidade, mas creio que o fato de eu ter escrito o livro durante a transição dos meus dezoito para os vinte e pouco anos tenha acabado sendo refletido na minha escrita. Hoje tenho um olhar diferente sobre as coisas ao meu redor. Existe uma forma certa de se viver "A Jornada da Vida?". É claro que não, e é justamente disso que Matéria fala! Crescer é uma verdadeira coisa de louco... mas, ei, ainda é uma aventura!

SOBRE O ELEMENTO MADEIRA

O elemento madeira está ligado com a energia da expansão, da criação e compreensão. Esse elemento promove o nascimento, crescimento, desenvolvimento e esforço que estão ligados à primavera.

A madeira remete também ao início e reinício de fases ou ciclos da vida. Lignum, a espada de madeira encantada de Raph, carrega um mar de significados em um mundo definido por ferro e brasas, pois o protagonista está constantemente absorvendo a energia das pessoas ao seu redor.

SOBRE PÉROLAS

Tradicionalmente, a pérola é símbolo de modéstia e pureza. É a única pedra preciosa do mundo que é fabricada por animais, considerada a mais sensível das pedras, pois é gerada por um ser vivo.

Antigamente, as pérolas estavam ligadas à força fundamental da vida. Costumava-se dizer que se a pérola perdesse totalmente o brilho era um presságio de morte. Opaca era sinal de doença.

Atentando-se a esses fatores, não é de se surpreender que a Vila das Pérolas represente uma transição tão grande para Ralph, que de um garoto sonhador repleto de vontades depara-se com o primeiro baque ao ser recusado pelo exército. A presença de pérolas num geral também é vista com frequência no Livro 1, onde elas foram substituídas pelos selos como utilização da magia. 

"SÃO OS TEMAS QUE DEFINEM UMA HISTÓRIA".

Gosto de disfarçar meu livro atrás da ideia de que é uma aventura bem no estilo de fantasia, baseada  em RPGs, animes e mangás, mas quem leu sabe que minha praia não é descrever cenas de ação, disputas políticas, uma mitologia complexa ou reviravoltas surpreendentes. Matéria - Espada de Madeira é uma jornada sobre crescer, transformar-se no caminho, e com isso, os temas estão sempre lá no background para serem absorvidos pelos mais atentos. Se eu tivesse que listar os principais, seriam estes:

[Fracasso] - Transformar os fracassos em oportunidades;
[Casa] - A busca por um lar;
[Destino] - Será que o destino tem planos maiores para nós?;
[Identidade] - Você é quem faz a própria aventura.

  2 comentários:

  1. O que torna matéria um universo de fantasia mais único em comparação a tantos por aai é essa preocupação maior e mais profunda em mostrar profundidade nas personagens complexas e passar uma mensagem sobre a vida em vez de conflitos políticos e ideológicos em batalhas banhadas em sangue em altos confrontos entre guerreiros edgy com violencia ao extremo. É isso que torna Matéria especial.

    As vezes é interessante como nós os dois somos parecidos com os objetivos que queremos mostrar com nossos universos. KK Prefiro mil vezes escrever sobre uma personagem comendo pizza e refletindo sobre a vida do que um guerreiro matando um rei por gloria e honra. Se bem que violência e lutas se bem feitas, bem encaixadas na narrativa e no equilíbrio certo pode ser interessante, também é preciso isso de vez em quanto heheh

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Quando você terminou de ler Matéria a primeira vez eu fiquei muito contente porque senti que você havia descoberto algo sobre universos de fantasia, e talvez isso até tenha influenciado sobre como você gostaria de escrever sua própria história :3 Você passou por aquele "remake" dos primeiros capítulos, e hoje vejo que ARDA está caminhando para se tornar algo muito autêntico, sem se prender aos padrões da fantasia. Também adoro conversas profundas e reflexões entre personagens, pois assim passamos muito do que pensamos para eles. Se eu tivesse que escrever algo somente para vender e fazer sucesso, eu com certeza não conseguiria.

      Por mais que esse gênero abra um leque de possibilidades a serem exploradas, parece que a maioria gosta de se prender nos mesmos conceitos da fantasia; a violência, política, guerras, tiranos e batalhas de espada que sempre fizeram sucesso nas sagas mais famosos. Eu fiquei com muito receio de publicar Matéria a primeira vez porque eu não me enquadrava em nada disso, é uma aventura disfarçada de cotidiano e eu não fazia ideia se as pessoas iriam compreender, mas após as reações vi que há muita gente que adorou! É um público diferente, mas que com certeza está aí. Eu não tenho uma escrita muito elaborada para cenas de ação e descrições de cenário magistrais, mas dou o meu melhor em despertar reações e sentimentos no coração de cada um :3

      Excluir

Menu Principal






Menu Secundário






Estatísticas




POSTAGENS
COMENTÁRIOS

PARCEIROS [BUTTON]

Tecnologia do Blogger.

Comentários Recentes

+ Lidas da Temporada